terça-feira, 15 de outubro de 2019

Trilhos de Interpretação na Mourela - Cogumelos


A decorrer no dia 20 de Outubro de 2019 no Planalto da Mourela.

Um outro olhar (CVIII)


O Nuno Miguel Cunha visitou as Minas dos Carris a 12 de Outubro de 2019 e teve a amabilidade de me ceder estas fotografias.

Se visitar as Minas dos Carris, envie as suas fotografias para assim se constituir uma base cronológica das ruínas nos píncaros serranos do Gerês.






Fotografias © Nuno Miguel Cunha (Todos os direitos reservados)

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (15 a 23 de Outubro)


Inicio hoje a publicação das previsões meteorológicas para Nevosa - Carris para este Outono / Inverno (2019 - 2020). Como se pode ver na figura é a primeira vez nesta época que se avança com a hipótese de neve (se bem que muito pouco provável) para o dia 19 de Outubro.

"Caminhada aos Carris" com o Parque de Campismo de Cerdeira


O Parque de Campismo de Cerdeira está a organizar uma actividade na qual será possível visitar as antigas ruínas das Minas dos Carris e o Vale do Alto Homem.

Designada por "Caminhada aos Carris", esta actividade tem como objectivo realizar uma visita guiada às minas com explicação dos aspectos mais importantes da actividade mineira na altura da II Guerra Mundial. A caminhada é feita ao longo do Vale do Homem e será acompanhada pelo autor do livro "Minas dos Carris - Histórias Mineiras na Serra do Gerês".

A actividade terá lugar a 19 de Outubro.

Inscrições limitadas!!!

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

Paisagens da Peneda-Gerês (CDXLIII) - Pico da Nevosa e Minas dos Carris



Passando o Curral de Cabana Nova (ou do Conde de S. Lourenço), o velho caminho mineiro vai vencendo o declive das encostas agrestes da Serra do Gerês em direcção às Minas dos Carris tendo por fundo o Pico da Nevosa.

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

segunda-feira, 14 de outubro de 2019

Trilhos seculares - Entre Lagoa e Cabril por Taboucinhas


De novo os velhos caminhos da serra serviram para esta caminhada entre Lagoa e Cabril, com uma passagem por Taboucinhas num dia quente de Outono com o Gerês então a necessitar urgentemente de água que eventualmente acabaria por chegar nos dias seguintes.

A jornada entre a paisagem tranquila de Lagoa e o burburinho agrícola de Cabril fez-se tomando o carreiro de pé-posto a passar por Lajas de Lagoa seguindo depois pelo Couçadoiro, Curral do Carvalho, Teixinhal, Penedo do Encosto, Porto Tapado, Porta Fernandes e Taboucinhas.

Taboucinhas guarda a história do "Ti" Secundino aqui contada pelo Ulisses Pereira: Na verdade ninguém sabe dizer de onde veio o "Ti" Secundino, apesar de ainda existir muita gente que o conheceu. Dizem que apareceu em Cabril com uma filha, pois antigamente aparecia assim muita gente que ficava a dormir nos palheiros. Havia muitos pobres, muita gente a fazer esse modo de vida. Ninguém sabia qual era a terra dele, alguns dizem que era de Cabeceiras, outros de Fafe e ainda aqueles que afirmam que era de Celorico. Veio para Cabril como resineiro e acabou por ficar, fixando residência no lugar de Cavalos, no sítio da Balteira e por lá ficou, até que teve a possibilidade de comprar uma parcela de terreno a comissão fabriqueira de Cabril. Porém, o que o pedaço de terreno era muito longe das aldeias, demasiado longe, e estava localizado em Taboucinhas, mesmo no começo da serra. Isso não o desanimou o "Ti" Secundino, que murou o pedaço de terreno, cavou, lavrou, procurou água, fez duas poças, construiu casa.

O homem passou a morar em Taboucinhas, cultivava batatas e milho à época, couves, vinho, tinha árvores de fruto, chegou a criar porcos e galinhas. Apesar de ter a residência na aldeia de Cavalos, o "Ti" Secundino e o seu burro, só desciam quando as condições eram muito adversas.

Com a morte do "Ti" Secundino, tudo em Taboucinhas e na sua "mini" branda morreu. A casa acabou por arder, restam as paredes. As cerejeiras caíram, as vides morreram, as couves e as batatas deram lugar a silvas e tojos e fetos, sinais do tempo.

De Taboucinhas faz-se a descida vertiginosa para Cabril por entre medronheiros e uma paisagem marcada pela Surreira do Meio-Dia.

(Um agradecimento ao Ulisses Pereira pela ajuda com a toponímia)

Algumas imagens do dia...































Fotografias © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)