quinta-feira, 23 de setembro de 2021

Paisagens da Peneda-Gerês (MXLIV) - Carris

 


O marco geodésico dos Carris, Serra do Gerês, com os seus 1.508 metros de altitude.

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

quarta-feira, 22 de setembro de 2021

𝟖ª 𝐄𝐝𝐢çã𝐨 𝐝𝐨 𝐅𝐞𝐬𝐭𝐢𝐯𝐚𝐥 𝐝𝐞 𝐂𝐚𝐦𝐢𝐧𝐡𝐚𝐝𝐚𝐬 𝐧𝐨 𝐆𝐞𝐫ê𝐬





A associação Gerês Viver Turismo vai realizar a 8.ª edição do Festival de Caminhadas no Gerês, uma oportunidade única para percorrer os melhores trilhos de montanha acompanhado por guias locais, descobrir locais especiais e deslumbrantes, e no final recarregar as forças com um caldo no pote, feito à moda antiga.

Nesta edição, o Festival de Caminhadas decorre ao longo da aldeia de Campo do Gerês, começando na Porta do Parque de Campo do Gerês. Em ambos os dias teremos 2 caminhadas circulares com distâncias diferentes, de modo a que os participantes possam escolher a distância que mais se adequa à sua condição física.

Grau de dificuldade: Médio/Baixo 6km – Elevado 12km

Horários:

Dia 9 | Sábado 

Trilho Longo | Início às 09h00

Trilho Curto | Início às 10h00

Caldo no pote | 13h30

Dia 10 | Domingo 

Trilho Longo | Início às 09h00

Trilho Curto |  Início às 10:00

Caldo no pote | 13h30

O evento, consecutivamente considerado o mais interessante e significativo do género em Portugal, tem como objetivo principal a promoção do Gerês enquanto destino turístico com condições ímpares para a prática de atividades de lazer na Natureza.

Este festival proporciona um contacto direto com o património natural e cultural a todos os participantes, sendo que são também objetivos da organização a sensibilização para a preservação da Natureza e a prática de atividades em montanha de forma segura e responsável.

INSCRIÇÕES E CONDIÇÕES – siga esta ligação

Pode efetuar no máximo inscrição em 2 trilhos, 1 no sábado e 1 no domingo.

Para participantes alojados em estabelecimentos aderentes, a inscrição é realizada diretamente no alojamento.

Para participantes externos, a inscrição é realizada diretamente com a Associação Gerês Viver Turismo (através da ligação) e tem o valor de 7,50€ para 1 dia e o valor de 10,00€ para os 2 dias.

As inscrições são limitadas, podendo a qualquer momento ser encerradas. As inscrições encerram dia 3 de outubro ou eventualmente antes dessa data, se entretanto for atingido o limite máximo de inscrições permitido.

A inscrição inclui seguro e serviço de guia.

Todas as inscrições incluem caldo no pote e malga alusiva.

Sugestões de alojamento e de restaurantes no concelho de Terras de Bouro (Gerês).

Organização: Gerês Viver Turismo – Associação de Defesa e Promoção do Gerês

Apoio

Câmara Municipal de Terras de Bouro

– Empresas Parceiras: Equi Campo, Equi Desafios, Geresmont, Parque Cerdeira, Água do Fastio

Paisagens da Peneda-Gerês (MXLIII) - Chega o Outono

 


As cores de Outono chegam à Mata de Albergaria, Serra do Gerês.

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

domingo, 19 de setembro de 2021

Trilhos seculares - Do Arado ao alto de Pradolã e Rocalva

 


Saída bem cedo do Arado para aproveitar o ar fresco de uma manhã quase de Outono. Seguindo a estrada florestal, passagem pela Malhadoura e pelo Curral dos Portos a caminho da Tribela. Aqui, seguimos em direcção à Ponte de Servas e subindo em direcção ao Curral de Pinhô, o vislumbre dos colossos que havíamos de visitar de perto dali a uns «instantes».

Continuando pelo caminho florestal que passa quase na base da Roca de Pinhô, entramos num bosque que esconde um carreiro que nos leva já perto de Pousada no traçado do Trilho da Vezeira de Fafião. Pousada ficará à nossa esquerda bem como o Tope Ruim (que já não me passa despercebido), à medida que entramos numa corga que nos vai conduzir a Pradolã. À nossa direita são já bem visíveis os alcantilados escarpados de Bicos Altos que marcam uma paisagem de singular beleza naquelas paragens de Fafião! Continuando entre a vegetação e vencendo lajes de granito, chegamos ao Curral de Pradolã e à sua fonte que ajuda já a diminuir o cansaço antes da subida até ao marco triangulado de marca o alto de Pradolã. Aqui, a paisagem é deslumbrante para o Vale do Rio Conho tendo ao seu fundo os colossos da Roca Negra, Quina do Meio e Roca de Pias, além da Meda de Rocalva e o Iteiro d'Ovos.

Descendo do alto e regressando ao Curral de Pradolá para ver a cabaninha... seguimos o caminho ao lado de Fontela e mais adiante atinge o magnífico Estreito, um verdadeiro espectáculo da Natureza abrindo-se para o Vale do Rio Laço (à nossa direita) - afundando-se para o Curral da Touça - e para a Corga das Cerdeira (à nossa esquerda) - afundando-se para Entre Águas. O caminho continua para o Curral de Vidoeirinho e a Meda de Rocalva surge já no horizonte próximo. Após uma curta paragem em Vidoeirinho para abastecer de água e refrescar a pele (pois a fonte em Rocalva estaria seca), continua-se o percurso passando o Penedo das Cangas e até chegar a uma das paisagens que são por excelência, verdadeiros símbolos da resiliência dos povos serranos e uma das imagens de marca do Parque Nacional da Peneda-Gerês.

Depois do repasto no Curral de Rocalva, era hora de encetar o regresso passando descendo pela crista inicial do Quinão (ou Quina) do Meio e depois pelo Curral do Cando, seguindo pelo magnífico carreiro que percorre a Encosta do Cando e descendo em direcção ao Curral de Coriscada. Finalmente, ladeando o Cabeço de Giesteira e os Cabeços de João Seda, chegava-se de novo à estrada florestal que leva ao ponto de partida.




















Fotografias © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

Paisagens da Peneda-Gerês (MXLII) - Eira soajeira vista desde a Louriça

 


A Eira do Penedo na vila do Soajo, Serra do Soajo, fotografada desde o alto da Louriça, Serra Amarela.

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

Paisagens da Peneda-Gerês (MXLIII) - Luz de Outono

A luz de Outono vai chegando ao Parque Nacional da Peneda-Gerês (Tribela, Serra do Gerês).

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

sábado, 18 de setembro de 2021

Trilhos PNPG - Ao topo da Serra Amarela pela GR34

 


Caminhada até ao topo da Serra Amarela seguindo traçado da GR 34 - Grande Rota da Serra Amarela com início junto da Barragem de Vilarinho das Furnas em direcção às Casarotas.

A costa onde iniciamos a verdadeira trepada não é fácil e põe à prova a capacidade cardíaca logo nos primeiros 2 km do percurso. O Peito de Gemesura não é para desafiar se duvidamos da montanha, pois ela irá, mais cedo ou mais tarde, cobrar o desafio.

Subindo em curvas ou por vezes num demoníaco festo, o caminho vai-nos fazer ganhar altitude à medida que a paisagem se afunda atrás de nós e os horizontes se alargam para as serranias geresianas. Por outro lado, a vertentes atrevidas e alcantiladas das profundas corgas levam-nos para um cenário de grandes montanhas. À medida que vamos subindo, a Corga de Gemesura encrespar-se, a serra ganha corpo e a albufeira torna-se num grande lago que desejamos mergulhar a cada pingo de suor, mesmo em finais de Verão.



A primeira grande subida vai terminar no Couto da Aguieira que nos permite um cenário em contra-luz para a Serra do Gerês. À nossa esquerda, elevam-se os altos da Amarela e afundam-se em medonhas corgas que abrigavam Vilarinho da Furna, lá no fundo! Aqui, o caminho vai-nos dar tréguas e desce para a Chã de Baixo (Chão de Baixo), antes de iniciar a subida pela Lomba do Alto para Chã de Cima (Chão de Cima) e empinar-se de novo para a Chã de Mimpereira (Chão de Mimpereira).

Em Chã de Mimpereira encontramos as enigmáticas Casarotas, velhas construções que algumas teorias apontam como sento antigos postos de vigia da quase invisível (daquele ponto) Geira Romana ou os restos de uma velha branda, memória de transumâncias de outros tempos. Até este ponto segui o traçado da GR34 que aqui deixo para me dirigir na direcção do Fojo do Lobo de Vilarinho da Furna, testemunho da eterna luta entre Homem e Lobo, e depois prosseguir para a Chã do Muro ladeando o Alto do Velho Tojo.

Esta parte do percurso é fácil e, mesmo não havendo marcações de GR ou PR, torna-se instintiva a prossecução do caminho assinalado com mariolas. De assinalar que até este ponto na caminhada não havia encontrado qualquer ponto de água e que a nascente existente na área do fojo do lobo ainda estava imprópria para consumo.



Na Chã do Muro volta-se a encontrar as marcações da GR34 que subindo para o Couto do Muro vai passar pelo topo da Encosta dos Colados de Araújo, acima do Colado de Araújo e até ao Alto da Casa da Feira e Louriça, o ponto mais elevado da Serra Amarela. Plantado com várias antenas de comunicações e com vários edifícios de apoio, a sombra que estes proporcionam é já muito agradável ao Sol que aquece a paisagem. Neste dia, um frio vento de Norte fazia lembrar que, eventualmente, o Inverno vai chegar!

Neste ponto, e olhando a Norte, apruma-se a imensa Serra do Soajo até perder de vista e notam-se os recortes graníticos da Serra da Peneda. Prosseguimos a caminhada até ao Curral de Ramisquedo, onde iríamos parar para descansar e retemperar forças.

O percurso vai prosseguir pela Chã da Fonte e daqui dirige-se pela Encosta de Ramisquedo onde o caminho está limpo da vegetação que dificultava a progressão, baixando para a Chã de Ramisquedo onde se encontra o Curral de Ramisquedo. A sombra dos carvalhos juntamente com a brisa que corria e lambia a pele, foi o local perfeito e o alívio necessário para um Sol que já aquecia e fazia lembrar um dia de Verão para lá do frio das primeiras horas da manhã. 

A GR34 prossegue para o Fragão (ponto de água) e depois para a Chã de Porto Covo, seguindo entre a Nascente dos Penedos do Carvalhal Branco (Corga do Estrêlo) e a Chã de Toutas, e flectindo no topo das Colmeias do Galante, vai prosseguir pelo Peito do Chão da Fonte e baixar para as Pardelhas e Porto do Carvalhal, já «nas traseiras» de Vilarinho da Furna. Junto da aldeia afundada tomamos o estradão florestal que nos leva de volta ao nosso ponto de partida.

Foi um percurso de pouco mais de 19,7 km com um acumulado positivo de 912 m.

Ficam algumas fotografias do dia...





























Fotografias © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)