terça-feira, 5 de junho de 2012

As taxas vão continuar...

Deixam-me recordar que este é o governo que é apoiado por dois dos partidos que a quando da discussão do Plano de Ordenamento do Parque Nacional da Peneda-Gerês não se absteram de emitir opiniões sobre a sua necessária revisão em defesa das populações. Os mesmos partidos que se opuseram ao pagamento de taxas e os mesmos partidos que quando nos receberam na Assembleia da República se mostraram incrédulos perante a actual situação, leitura e aplicação da Portaria 138-A/2010 de 4 de Março.

No fundo e perante a recusa que o Ministério do Ambiente (e de tudo o resto) e o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, em nos receber talvez esta decisão não nos devesse surpreender.

A ministra mente com todos os dentes que tem e vergou-se à influência de lobbies cujo principal interesse é o lucro e que desprezam a liberdade de cada um de nós usufruir de forma responsável as nossas áreas protegidas. Mais uma vez, e fazendo o jogo sujo e de meias verdades que sempre foi feito pelo ICNF nesta questão, vem dizer que as taxas servem para a protecção do ambiente e das áreas protegidas quando toda a gente sabe que tal não acontece. Uma criança de 9 anos saberá facilmente ler o que está preto no branco. Desde o princípio que esta governação se mostrou de má fé na resolução do problema, porque o problema não ficará resolvido com a solução por eles imposta.

Recuso-me a ter de contratar um guia para me acompanhar, aliás de facto nem o preciso sendo eu próprio um Guia de Baixa Montanha formado num cursito com o apoio do Parque Nacional da Peneda-Gerês. Assim, poderia simplesmente me borrifar para a questão e até ganhar um cêntimos com isto, mas a camaradagem que se ganha naqueles grandes espaços é algo que me faz lutar contra o que acho injusto. No entanto, continuo a achar toda esta questão surreal e continuo a dizer que a questão não é resolvida porque a governação tenta ir buscar dinheiro onde ele não vai aparecer e onde nunca apareceu.

Como que num apelo à desobediência civil, e a manter-se o cenário das taxas, irei continuar a caminhar sem pedir as autorizações quando necessárias e apelo a todos que façam o mesmo, respeitando as regras que nos devem guiar em todas as nossas caminhadas! Este sempre foi o meu lema desde que esta luta começou, isto é "Regras Sim! Taxas Não!", e irá continuar a sê-lo.

Fotografia: © Rui C. Barbosa

4 comentários:

José Carlos Callixto disse...

Como já escrevi no Facebook, o único sentimento que as palavras da ministra me desperta é o de nojo por estes governantes. Apoio incondicionalmente o teu apelo. Sempre que me seja possível continuarei a caminhar e a levar os meus amigos a caminhar na terra abençoada do Gerês!

Joao Dias disse...

Estás a ver Rui como eu tinha razão quando o Sr Secretário de Estado me disse a mim pessoalmente de que era mas manter as taxas e que o governo sobre esse matéria seria irredutível...
Continuaremos....
Até breve,
João Dias

Joao Dias disse...

Estás a ver Rui como eu tinha razão quando o Sr Secretário de Estado me disse a mim pessoalmente de que era mas manter as taxas e que o governo sobre esse matéria seria irredutível...
Continuaremos....
Até breve,
João Dias

Rebelo disse...

Biba Rui.

Tudo como dantes, QG em Abrantes.
Ou a sul nada de novo.
Ou a merda continua a mesma e nem sequer o cheiro é diferente.

Tantas vezes discutimos a hipocrisia destes senhores de S. Bento que, infelizmente, seria difícil de esperar, mesmo sentado, outro tipo de resposta.
Quando são do governo são a favor porque são.
Quando são da oposição são contra porque são.
Pensar e agir pela própria cabeça é que vai no Batalha.

Exemplos não faltam.
Um PR que adora andar de comboio mas encerrou 800kms de ferrovias aquando PM.
Um PM que tinha o ensino como paixão e acaba como asilado na ONU.
Um cherne que nos deixou de tanga e se pirou para a UE.
Um filosofo fazedor de barragens, actualmente emigrado para os lados da cidade luz.
As posições dos deputados Transmontanos distraídos aquando a 'noite do roubo' e totalmente insensíveis ao afogar do vale do Tua.
Uma ministra que pensava que o paredão do mesmo Tua estava já construído e diz agora que não tem dinheiro para parar as obras e ter de honrar o contracto (se calhar policiado pela antiga firma de advogados da própria).
A mesma ministra que no diz agora que "é diferente ter um grupo acompanhado por um guia especializado a passear num parque do que ter pessoas sozinhas que podem não estar tão sensibilizadas."

Sensibilidade???
Pagar para caminhar no Gerês, no nosso Gerês???
Foda-se Rui, tanta hipocrisia.
São 30 anos de compadrios, de vícios, de indivíduos que nunca abandonam os seus escritórios a não ser para inaugurações pomposas e milionárias.
Teimam em fazer parte do problema e ainda nos vem dizer que já não estamos à beira do abismo???
Se calhar já demos um passo em frente.

Tudo com dantes, QG em Abrantes.
Como não há maneira de ser sempre a oposição a governar este nosso jardim à beira mar plantado fica o teu último parágrafo com a única solução.
Como se fez ontem, como se faz hoje e como se fará amanhã.
'Regras Sim! Taxas Não!'