sábado, 21 de janeiro de 2017

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Pitões das Júnias - O Topónimo


Talvez um dos topónimos mais intrigantes de toda a Serra do Gerês. Tentar explicar a origem do nome 'Pitões das Júnias' é recuar no tempo e mergulharmos no mais profundo interior daquela aldeia.

Não sendo minha intenção tentar explicar a origem do topónimo em questão, deixo aqui transcrito a explicação que José Dias Baptista nos dá na sua obra "Topónimos de Barroso" (2013), pág. 133 a 135.

"Topónimo de raiz antiga, pré-Latina - Pitt - que significa aguçado, pontiagudo. É, portanto, um topónimo topográfico, o que se confirma pelas características orográficas das redondezas, em que ressaltam os chamados "Cornos da Fonte Fria", "Pala da Vaca", "As Fisgas", "São João da Fraga", "Penedo Grande", "Fraga de Paul", "Lamas da Portela", "Castelo Pé da Moega", "Cascata", etc. - tudo isto com significados de locais de altura e aguçados, aliás, chamadouros de extrema propriedade.

O topónimo antigo parece que era Pitonha, ou antes, Vilar de Vacas de Pitonha, em que entre o étimo citado pitt + o sufixo arcaico onha que indica quantidade ou grandeza. Documenta-se o que dizemos pelas inquirições de D. Afonso III, em 1258. Pelo século XIV ou XV já aparece a forma Pitões que julgo ser simples e lógica abreviatura de Pitonha, diriam Pitonis e daí para o nasalado Pitões. No século XVII ou XVI começa a ser designada por Vilar de Vacas, Vacariça ou Vacaresse de Pitões, o que se comprova com documentos manuscritos (e de inusitado valor histórico-toponímico) da autoria do Padre Diogo Martins Pereira, em «Epítome Familiar e Árvore de Geração de Algumas Casas...».

Já no século XVIII, alguns dos recentes Lousadas (que ainda os há aos trambolhões) fizeram o milagre de ressuscitar-lhe as Júnias, nome erudito com que se pretende eliminar o popular Unhas.

Dizem agora Pitões das Júnias... Mas não há documentos de prova. Há, sim, Santa Maria das Júnias... Ora o topónimo é Pitões, as Júnias são de Santa Maria!

Mas tal forma, Júnias, é duvidosa... Existia, sim, Juynas ou Iuynas - desconhecido palavrão de que não deveremos fazer o latinório Júnias. Com efeito, Júnias foi nome de mulher latina mas não consta que deixasse rasto toponímico em nenhuma parte do império. Quem tal dia, está a fazer ao topónimo Pitões o que Júnio Bruto fez a Júlio César. Este tratava o Bruto por filho e, no entanto, o Bruto encabeçou a cinjura e apunhalou o imperador na mais repugnante cobardia e traição.

O topónimo do Mosteiro dedicado a Santa Maria (Nossa Senhora das Nevas!) era JUYNAS e nada mais. E, escrito assim. é topónimo desconhecido, sem significado, tal como Juriz. Estes nomes Júnias e Juriz não existem! Existe, e já existia em 1258, uma povoação que até era freguesia e pagava idêntica pensão, ao rei, qual pagava Pitões, Vila da Ponte, e outras. Essa povoação chama-se O Gerês e o seu orago era São Vicente. Nunca ninguém encontrou um só documento que falasse de Juriz. Mas há-os de São Vicente d'O Gerês!

Quanto às Juynas, Iuynas ou Juyas há-de ser fórmula errónea de Unhas, importantíssimo elemento da lenda da fundação do Mosteiro. Que se chamava Mosteiro da Senhora das Unhas (Mosteiro da Nossa Senhora das Unhas) está bem explícito nos documentos do P.e Diogo Martins Pereira a que acima aludimos (...). Não ponho as mãos no fogo por Júnias! Antes vejo no termo a tentativa de alguns eclesiásticos acharem sujo o nome Nossa Senhora das Unhas e tudo fazerem para o irradicarem."

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (20 a 26 de Janeiro)


Continuação do tempo frio normal para a época. Previsão de chuva e queda de neve para os dias 25 e 26 de Janeiro.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Um outro olhar (LXXI)


O Flávio Leão visitou as Minas dos Carris a 18 de Janeiro de 2017 e teve a amabilidade de me enviar algumas das suas fotografias desta sua visita.

Se visitar as Minas dos Carris, envie as suas fotografias para assim se constituir uma base cronológica das ruínas nos píncaros serranos do Gerês.

Um agradecimento ao Flávio pelo envio das fotos!



Fotografias © Flávio Leão (Todos os direitos reservados)

"Queima de mato na zona da Ermida em Terras de Bouro"


Notícia on-line d'O Amarense:

Uma queima de mato na zona da Ermida, em Vilar da Veiga, no concelho de Terras de Bouro, está a decorrer naquela zona como acção preventiva perante eventuais fogos florestais.

A acção denominada gestão de combustível envolve 20 operacionais e cinco viaturas, do Parque Nacional da Peneda-Gerês.

Fotografia: O Amarense

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (18 a 23 de Janeiro)


Sem haver previsão de precipitação, as temperaturas nas Minas dos Carris terão mínimas negativas nos próximos dias com a máxima a não ultrapassar os 7ºC. 

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (17 a 23 de Janeiro)


Com a previsão a três dias confirmam-se as temperaturas baixas negativas para o Pico da Nevosa a 18 e 19 de Janeiro com mínimas de -11ºC e máximas de -1ºC. Nos dias seguintes as temperaturas mínimas vão atingir os -8ºC e a máxima não deverá ser superior a 2ºC.

Não há previsão de precipitação.

Caminhada ás Minas dos Carris a 4 de Fevereiro


Parque de Campismo de Cerdeira está a levar a cabo uma nova série de actividades nas quais é possível visitar as antigas ruínas das Minas dos Carris.

Designada por "Caminhada aos Carris", esta actividade mensal tem como objectivo realizar uma visita guiada às minas com explicação dos aspectos mais importantes da actividade mineira na altura da II Guerra Mundial. A caminhada é feita ao longo do Vale do Homem.

A próxima actividade terá lugar a 4 de Fevereiro.

Para mais informações e datas, consultar aqui.

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Paisagens da Peneda-Gerês (CXI) - Curral das Rochas de Matança


O Curral das Rochas de Matança, Serra do Gerês, encontra-se à sombra do Compadre a caminho dos Currais das Negras vindo da Biduiça. É um velho curral abandonado no qual ainda se podem observar os restos do seu abrigo pastoril, agora alagado.

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

Apoie o trabalho do Grupo Lobo


Apoie o trabalho do Grupo Lobo em prol da conservação do Lobo Ibérico!

O Grupo Lobo tem como missão a divulgação de informação correcta e actual sobre o lobo; o apoio do desenvolvimento de estudos científicos sobre a espécie; a informação e sensibilização da opinião pública para a importância da conservação deste predador; e a promoção de medidas práticas de conservação que aumentem a tolerância para com o lobo.

Ligue o 760 450 044 (0,60€+IVA) ou faça um donativo para o IBAN PT50 0007 0007 0052 0270 018 86

Uma das tarefas dos voluntários no Centro de Recuperação do Lobo Ibérico é a observação do comportamento dos lobos residentes. Os voluntários são essenciais para a manutenção do nosso espaço! Torne-se voluntário, faça a diferença! Para mais informações, envie um e-mail para crloboiberico@ciencias.ulisboa.pt

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (16 a 22 de Janeiro)


Não havendo previsão de precipitação para os próximos dias na Serra do Gerês, não deixam de ser impressionante os -11ºC previstos para o dia 19 de Janeiro, com uma máxima de 2ºC.

O frio deverá então chegar em força à Serra do Gerês. Todos os cuidados são poucos na preparação das nossas actividades.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Paisagens da Peneda-Gerês (CX) - Curral de Varziela




O Curral de Varziela é um antigo espaço de pastoreio abandonado entre o Alto de Varziela e os denominados Terrenos do Mourinho, na Serra do Gerês. 

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

A sistematização do abandono


Um recente artigo de António Cunha sobre o deplorável estado da estrada da Mata de Albergaria, fez ressurgir a inegável ideia de que temos um Parque Nacional que existe somente no papel.

Herdeiro dos Serviços Florestais desde 1971, o Parque Nacional da Peneda-Gerês sempre foi visto como um meio contra as populações, apesar de estas terem beneficiado em vários aspectos da sua existência.

No entanto, e 45 anos após a sua fundação, parece que o PNPG está a fazer um esforço suplementar para que as relações com as populações e com quem o visita, se deteriorem a um ponto de não retorno.

O abandono do PNPG é notório e muitas vezes este só está presente em acções de cobrança de taxas cujo destino ninguém conhece, ou em fiscalizações daqueles que talvez teimem em jogar pelas suas regras.

O estado miserável da estrada que atravessa a Mata de Albergaria, resultante de um jogo do empurra entrw PNPG e Câmara Municipal de Terras de Bouro, é o melhor exemplo do serviço prestado aos que residem no Parque Nacional e os que o visitam.

Fica aqui a ligação para o artigo de António Cunha.

Fotografia © Paulo Reis

GERÊS. Fundo Ambiental disponibiliza 32 milhões de euros só para Gerês e Andante


Noticia d'O Amarense...

O Fundo Ambiental disponibilizou cerca de 32 milhões para os projectos definidos pelo Ministério do Ambiente, como o Plano Piloto da Peneda Gerês ou o novo sistema de bilhética do Andante, a implementar já em 2017.

Fotografia © Rui C. Barbosa