sábado, 16 de fevereiro de 2019

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (16 a 24 de Fevereiro)


Continuam as previsões de queda de neve para as Minas dos Carris para os dias 17 e 18 de Fevereiro.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Lobo abatido na Serra do Gerês


Confirmam-se os rumores de circulavam por entre murmúrios há já algum tempo.

Um lobo foi abatido na Pedra Bela, Serra do Gerês, e o caso está a ser analisado pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas e por técnicos do Parque Nacional da Peneda-Gerês.

Os dados sobre a ocorrência são quase inexistentes, sendo sabido que se aguardam as conclusões da necrópsia ao animal para determinar as causas exactas da sua morte.

Mais uma vez, o eterno conflito volta a fazer vítimas nos mais fracos e enquanto que as duas partes que se dizem inteligentes não conseguirem arquitectar um plano no qual a Natureza não saia prejudicada, teremos regressões constantes ao século XIX.

Nos últimos tempos têm sido vários os casos de morte destes animais, tendo-se registado outro caso no Parque Natural do Alvão e em outras áreas protegidas.

Paisagens da Peneda-Gerês (CCCL) - Prado de Teixeira


O Prado de Teixeira, Serra do Gerês, numa manhã primaveril em dia de Inverno.

Fotografias © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (15 a 23 de Fevereiro)


As previsões continuam a apontar para a ocorrência de queda de neve a 17 e 18 de Fevereiro nas Minas dos Carris. Os limites de congelamento subiram, respectivamente para os 2.100 e para os 1.500 metros de altitude.

As marcas vermelhas....



Já por várias vezes reparei nestas pequenas marcas vermelhas em vários carreiros na Serra do Gerês. Estas foram fotografadas entre o Curral da Lomba do Vidoeiro e o Vale de Teixeira, mas marcas semelhantes existem perto do Curral do Cando a caminho de Rocalva.

Alguém sabe qual o objectivo destas marcas?

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)



quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Fafião Art Nature Fest 2019


O Fafião Art Nature Fest irá regressar em 2019 e já tem datas marcadas naquela terra de lobos.

A edição de 2019 terá lugar a 28 e 29 de Junho.

Mais informações brevemente!!!

Vai Processionária, vai!


Nunca vi tanto casulo de processionária do pinheiro como vejo por estes dias na Serra do Gerês e no resto do Parque Nacional. É mais uma de várias invasoras que se espalha descontroladamente sem que nada de visível seja feito para o evitar.


Repete-se a 'história' das mimosas...

A processionária do pinheiro (Thaumetopoea pityocampa) é um lepidóptero (borboleta) tipicamente mediterrânico, podendo localizar-se em todos os locais atacando todas as espécies de pinheiros, tanto autóctones como introduzidas. É a principal praga desfolhadora dos pinheiros em Portugal. O dano acontece devido à alimentação dos estados larvares durante o Inverno e pode passar de uma árvore para outra.

A intoxicação por contacto com a processionária tem, portanto, carácter sazonal, dependendo do clima da região, verificando-se uma maior percentagem de casos a partir de Fevereiro e até à Primavera. Em Invernos mais amenos podem observar-se as migrações ainda durante o mês de Janeiro, ou em caso contrário, estas prolongarem-se até ao Verão. Durante estes meses as lagartas estão maduras e apresentam defesas contra os predadores naturais, defesas estas compostas por oito receptáculos, cada um com 120 000 pelos urticantes, de cor alaranjada. Quando a lagarta se move os receptáculos abrem, libertando milhares de pelos que se dispersam no ambiente. Funcionam como finas agulhas, inoculando na pele e mucosas uma proteína tóxica, capaz de provocar a libertação massiva de histamina, pelo, tecido ou órgão afectado. O Homem, assim como cães, gatos, cavalos e outras espécies, desenvolvem um processo alérgico grave e exuberante, quando contactam com estes mesmos pelos. Não é, portanto, fundamental o contacto directo com a lagarta. Os pelos soltos no ambiente podem provocar o mesmo tipo de reacção, não só pelo contacto com as superfícies onde se depositaram, como também por inalação dos que estão presentes no ar inspirado.



Fotografias © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

Pegadas de animal rastejante avistadas pela primeira vez na Serra do Gerês... ou talvez não


Pegadas de um animal rastejante foram fotografadas pela primeira vez na Serra do Gerês em zona de visita pedestre.

As marcas, que provocaram alguma alteração no solo com a deslocação de algumas pedras (o que pode indicar 'bitcho' de grande porte), estão já presumivelmente a ser estudadas por técnicos do PNPG... que nunca são vistos nos locais, mas que vão lá!

Como o PNPG parece ter um 'big brother' a vigiar a rede, não deverá ser difícil identificar a espécie... a não ser que se dedique somente a vigiar quem anda a pé ou quem pede as respectivas autorizações.

Post Scriptum: parece que este post scriptum é necessário para ajudar a entender este pequeno texto que deve ser compreendido muito, mas muito para além das marcas que foram fotografadas.









Fotografias © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

Paisagens da Peneda-Gerês (CCCXLIX) - Pelourinho de Castro Laboreiro


Castro Laboreiro teve primeiro foral dado por D. Afonso III, em 1271, que a elevava a vila, com a designação de Leboreiro. Foi comenda da Ordem de Cristo, e pertenceu à Casa de Bragança. Recebeu foral novo de D. Manuel, em 1513. A extinção do concelho, em 1855, determinou a sua integração em Melgaço, do qual é actual freguesia. Conserva um pelourinho, datado de 1560. 

O pelourinho chegou a ser desmontado em 1860, mas foi reconstruido e remontado no seu local original, diante do antigo edifício da Casa da Câmara. Levanta-se sobre plataforma de três degraus quadrangulares de aresta, de pedra aparelhada, não originais. A coluna assenta em base tronco-piramidal lisa, de topo truncado, com estrias horizontais marcadas numa das faces, supostamente destinadas à medição das meadas de linho (Luís CHAVES, 1938). O fuste tem secção octogonal, com uma inscrição junto do topo, onde se pode ler a data de 1560. Não existe propriamente capitel, mas sim um ábaco ou tabuleiro saliente, grosso e quadrangular, encimado pelo remate. Este é constituído por uma singela pirâmide quadrada, de factura moderna (datada da reconstrução)

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (14 a 22 de Fevereiro)


À medida que a incerteza vai diminuindo, parece mais provável que o próximo fim-de-semana venha a ser de neve nas Minas dos Carris com uma acumulação de 10 cm do dia 17 de Fevereiro e 4 cm no dia 17 de Fevereiro. Atenção ao ponto de congelação que para dia 17 está indicado para os 2.000 metros de altitude, baixando para 1.200 para o dia seguinte.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Portela d'Home - Agosto de 1952

São três fotografias que nos transportam um «pouco» atrás no tempo e que nos ajudam a completar este infinito puzzle que é a História (oral, escrita ou visual) da Serra do Gerês.

Estas três fotografias mostram-nos o posto fronteiriço Galego da Portela d'Home em Agosto de 1952.

Um agradecimento especial ao Francisco Silva pelo cuidado que teve em me ceder as fotografias! Muito obrigado, Francisco!

Fotografias © Francisco Silva (Todos os direitos reservados)

"Vem aí 12 novos trilhos pedestres na Peneda-Gerês"


Notícia d'O Minho para ler aqui.

Melgaço lança concurso público de meio milhão de euros.

Fotografia: Divulgação / cevide.pt

Previsão meteorológica para Nevosa / Carris (13 a 21 de Fevereiro)


Será que dia 17 de Fevereiro será um dia de neve?

"Câmaras vão ter uma palavra a dizer na gestão das áreas protegidas"


Notícia (que ja não é nova) da TSF para ler aqui.

Depois do sucesso do projeto-piloto no Parque do Tejo Internacional, o Governo prepara-se para alargar a todo o país o modelo de cogestão das áreas protegidas.

Fotografia: José Coelho/LUSA

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Tratado de Limites Celebrado entre Portugal e Espanha


Alguns textos curiosos podem ser encontrados nas procuras que fazemos com a ferramenta que a Internet representa nos nossos dias.

Uns destes textos vem referido no artigo "150 anos do Tratado de Limites Celebrado entre Portugal e Espanha" escrito por Rui Aleixo e que nos fala do 150º aniversário deste tratado entre Portugal e Espanha.

Para aqueles que percorrem as serranias que constituem o Parque Nacional da Peneda Gerês, são de especial interesse os artigos 3º a 6º que podem ser consultados aqui.