sexta-feira, 27 de março de 2015

Caça furtiva no PNPG


Estas imagens mostram caçadores na Lamalonga, Serra do Gerês, em finais de 2014.

A caça furtiva existe no PNPG e certamente será uma das causas dos desequilíbrios registados nesta área protegida. Este é um problema de deve ser devidamente abordado tanto pelo Estado como pelas populações.




Fotografias de autor devidamente identificado (não está permitida a reprodução destas fotografias)

“Os lobos estão a atacar os animais apenas por diversão"


Os lobos estão a atacar os animais apenas por diversão," Joaquim Carcel, Presidente da Câmara Municipal de Terras de Bouro, é agora um expert em comportamento animal citado pelo Jonal O Amarene na sua notícia de 26 de Março de 2015 que pode ser lida aqui.


Pelo que é referido na notícia, os ataques dos lobos são diários e a alteração comportamental deste animal pode colocar em perigo não só os outros animais, mas também o homem. Assim, todo o cuidado é pouco ao se caminhar pela serra e se possível as pessoas devem andar armadas...

Em itálico poder-se-ia crer que esta é uma situação real. Felizmente, a situação não atinge estas proporções e esta não passa de uma extrapolação irracional e fantasiosa, há semelhança das palavras do Presidente da Câmara Municipal de Terras de Bouro que referem o passatempo preferido dos lobos no Gerês, apesar do Jornal O Amarense salientar que os ataques de lobos são diários.

Já anteriormente referi que declarações irresponsáveis não resolvem problemas, mas infelizmente há quem insista em fazer tais declarações irresponsáveis e descabidas ao referir que por um lado existe uma diminuição do número de presas naturais e por outro um aumento de alcateias.

Fotografia: Jornal O Amarense


terça-feira, 24 de março de 2015

"Algures, algo incrível está à espera de ser descoberto"


Ao falar das maravilhas do Universo nas suas intervenções televisivas, o meu amigo Miguel Gonçalves citou Carl Sagan dizendo "algures, algo incrível está à espera de ser descoberto!" referindo-se à imensidão do mar cósmico que todas as noites contemplamos e que desde o alvorecer da Humanidade despertou em nós a sede de conhecimento.

Não querendo de qualquer forma estabelecer uma comparação com o grande cientista e comunicador científico que nos deu o "Cosmos" e que a tantos de nós inspirou, pego nas suas palavras referindo-me à imensidão dos espaços que do alto dos píncaros serranos mais elevados contemplamos aos perscrutar os vastos horizontes e os profundos vales entre a Peneda e o Gerês. Por ali, algures, também algo incrível está à espera de ser descoberto!

Fotografia © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

Plantação da Arvore-Fafião / Faça nascer uma floresta no Geres


Realizou-se no passado sábado a actividade da “Plantação da Árvore-Fafião / faça nascer uma floresta no Geres”.

A actividade desenvolveu-se com a plantação de 15 árvores de grande porte numa área devastada por um incêndio à 3 anos, junto à aldeia.

De seguida em caminhada fomos para uma área onde tem sido alvo de várias plantações nos últimos anos e aí procedeu-se á poda das mesmas.

Por volta das 14:00 os participantes reuniram-se no “Parque de Merendas dos Areeiros” para saborear a “Tradicional Massa do Vezeireiro”.

O nosso muito obrigado às cerca de 70 pessoas que nos visitaram e ajudaram nesta tarefa de proteger e preservar o nosso Gerês.

Obrigado também ao Conselho Directivo de Baldios de Fafião por se mostrar mais uma vez solidário com esta causa de preservar o que realmente é de todos, oferecendo as árvores.

Texto e fotografia cedida por Associação Vezeira de Fafião

Pedestrianistas em perigo no Gerês? (Afirmações irresponsáveis não resolvem problemas... a «eterna» problemática do lobo)


Será que os praticantes de pedestrianismo e montanhistas estarão em perigo no nosso Parque Nacional?

Ao falar sobre a «eterna» problemática do lobo, com que base o Presidente da Câmara Municipal de Terras de Bouro afirma que "uma vez que parece evidente que o lobo deixou de ter medo do homem," tal como é citado pelo jornal PÚBLICO na notícia "Ataques dos lobos motivam manifestação de criadores de gado de Terras de Bouro"? Será que Joaquim Cracel se baseia em algum estudo que comprove esta afirmação? Será que o suposto frequente ataque dos lobos é condição suficiente para insinuar ou afirmar que este animal perdeu o medo do homem? Se assim é, será que o turismo de natureza deve sentir receio de aconselhar os visitantes da Peneda-Gerês a não calcorrear as serranias porque poderão ser vítimas de ataques do lobo? Ou será que este ataque só é feito pelos lobos que se aproximam das aldeias e por alguma arte de magia essa aproximação faz com que o lobo fique sem medo do homem?

Ao insinuar que as próximas vitimas do lobo no Gerês serão as crianças, o Presidente da Câmara de Terras de Bouro escolheu um dos lados do conflito: o lado da ignorância.

Tirar partido da infelicidade dos criadores de gado para tentar apagar um incêndio com gasolina, não ajuda de forma alguma a resolver o problema, Esta é a forma de resolver os problemas pelo telhado e ao contrário do que se quer fazer querer, o elo mais fraco nesta história não são os homens, mas sim os lobos. Afirmações deste tipo, irreflectidas e a roçar a ignorância e a fantasia dos contos de crianças não mostra uma vontade de resolver a situação. Talvez mostre uma vontade de se alinhar com lobbies que pretendem a volta da caça ao lobo, como foi admitido pela irresponsabilidade de um Secretário de Estado não vai há muito tempo.

Convém analisar o problema de todos os lados e não deixar ficar de fora muitas situações que ajudam a explicar esses ataques (cães abandonados, etc.) e que se admita que o principal responsável pela situação é o próprio Homem. Acima de tudo, convém que sejamos sérios e deixemos as afirmações deste tipo para outras pessoas.


segunda-feira, 23 de março de 2015

223... Minas dos Carris caminhando pelo Vale do Alto Homem


Minas dos Carris, 22 de Março de 2015

Quando a noite de Sábado se desvaneceu no cansaço e nas neblinas do sono, as perspectivas para o dia que haveria de chegar não eram muito animadoras. Pelos vistos, antevia-se o novo dia com nuvens que no alto da serra certamente seriam de um nevoeiro impenetrável que não deixaria ver, mais uma vez, as grandes paisagens. Estava errado... O dia nasceu com algumas nuvens, mas o azul dominava os céus e tudo parecia conjugar-se para que de facto, e após duas visitas em tons de cinza, esta visita às Minas dos Carris nos proporcionasse as paisagens que tanto desejava, não muito para mim, mas sim para aqueles que pela primeira vez iriam visitar tão mítico lugar nesta caminhada promovida pelo Parque de Campismo de Cerdeira.

A caminhada começou com um ligeiro atraso, mas nada que fosse tirar o ânimo e a vontade de ir, aos poucos, conhecer o Vale do Alto Homem. Em quase três horas de caminhada, o que ao princípio eram picos longínquos a rasgar o céu e paredes a prumo como barreiras intransponíveis, transformavam-se em motivos de mais uma fotografia ou de contemplação com o seu quanto baste de transcendental.

Neste dia foram muitas as pessoas que visitaram o vale e as ruínas dos Carris... Certamente que o Parque Nacional está muito mais aberto na atribuição das autorizações, mesmo a grupos grandes...

Mais uma vez tive a oportunidade de explicar a presença humana naquele vale, como ele evoluiu e o que ele vai (ainda) escondendo; revisitámos a história das Minas dos Carris e as suas ruínas que ainda vão resistindo ao passar dos dias. Enfim, um dia bem pensado e em boa companhia que se irá repetir em dose dupla já no mês de Abril.

Ficam algumas imagens do dia...




























Fotografias © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

sábado, 21 de março de 2015

O gato de Vilarinho da Furna


Em Vilarinho da Furna já só mora o silêncio e as memórias da aldeia mártir. Raramente os vemos por aquelas paragens, mas em Vilarinho da Furna também havia gatos...

A imagem foi retirada a partir do documentário de longa metragem "Vilarinho das Furnas" de António Campos.

sexta-feira, 20 de março de 2015

«Passeio fotográfico» pelo Vale do Alto Homem


Um conjunto de fotografias obtidas no Vale do Alto Homem, Serra do Gerês, entre a Água da Pala e a Corga do Concelho.

Para uma leitura sobre o Vale do Homem: "Uma caminhada às Minas dos Carris em dia agreste" e sobre os abrigos existentes no Vale do Homem: "Para um estudo da ocupação humana do Vale do Alto Homem".


































Fotografias © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)