sábado, 13 de fevereiro de 2016

Meteorologia para as Minas dos Carris a 14 de Fevereiro


A neve deverá começar a cair com força nos píncaros geresianos na madrugada de dia 14 de Fevereiro, havendo a previsão de queda de neve a cotas baixas (cerca de 300 metros) na tarde de Domingo. De facto, a neve deverá ser geral no Norte do país, havendo a previsão de queda de neve na Serra da Peneda, Soajo, Amarela, Montesinho e Alvão.

O tempo frio irá manter-se durante a semana com possíveis episódios esporádicos de queda de neve.


Em caso de acidente ou de situação de emergência na montanha deverão ligar para 253331332 (GIPS - Grupo de Intervenção, Protecção e Socorro da GNR). Se ligarem para o 112 têm entrada em directo nos principais jornais nacionais com especial destaque na CMTV!



sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Histórias de Inverno nas Minas dos Carris (VIII)


Esta é a terceira e última parte de segundo conjunto de histórias sobre o Inverno na Serra do Gerês com particular ênfase nas Minas dos Carris. É possível que já tenha publicado aqui este texto que nos conta a dureza da vida na Serra do Gerês no longínquo ano de 1955.

As histórias servem também de aviso e conselho para aqueles que nos próximos dias irão demandar as paisagens serranas, sublinhando a importância da segurança e da gestão do risco em montanha.

A partes anteriores deste artigo podem ser lidas em Histórias de Inverno nas Minas dos Carris (I)(II)(III)(IV)(V)(VI) e (VII).

O texto em baixo é adaptado de "Minas dos Carris - Histórias Mineiras na Serra do Gerês", de Rui C. Barbosa - Dezembro de 2013.


Em cima: O Eng. Virgílio de Brito Murta (Chefe dos Serviços Técnicos) e José Antunes Inácio (Sócio gerente da Sociedade das Minas do Gerez) no dia da chegada das equipas que trouxeram mantimentos para as Minas dos Carris em Março de 1955 (ver textos anteriores desta série).

No topo: Aspectos do complexo mineiro nos dias de neve de Fevereiro de 1955. A neve cobre os acessos entre os diversos edifícios mineiros, nomeadamente a secretaria e armazéns, a enfermaria e os edifícios de habitação.

"(...)

As operações da Mina dos Carris são suspensas entre Janeiro e meados de Maio de 1972 devido aos danos causados pelo Inverno rigoroso da Serra do Gerês.


Em Cima: A entrada para o poço principal da concessão do Salto do Lobo, bem como o acesso à lavaria estão quase totalmente cobertos de neve. Imagem de Março de 1955.

(...)

Permanecendo longas jornadas nas Minas dos Carris, Miguel Campos Costa será importante no registo de algumas das memórias dos últimos dias de habitabilidade permanente do complexo mineiro. Através dos seus diários, são relatados alguns episódios das suas vivências naquele lugar partilhando os dias com o último guarda dos Carris. A 12 de Dezembro de 1983 relata a sua chegada às minas, “Encontramos em Carris o Sr. Domingos (57 anos) e sua mulher (amiga, 52 anos) e dormimos lá. Saímos da ponte às 11h e chegamos a Carris por volta das 4h (+ ou -). Dormimos em Carris mas no dia seguinte (8.15h) o tempo estava mau e fomos para as Sombras. O Sr. Domingos disse que nos 18 anos que já passou em Carris nunca viu tanta neve como no ano passado (82/83).” Com um profundo interesse na meteorologia, são descritos de hora em hora os estados meteorológicos registados nas minas ao longo de vários dias nos quais lá permaneceu
."


Em Cima: Um aspecto da Lamalonga desde as Minas dos Carris após o intenso nevão de Fevereiro de 1955. Na imagem são identificáveis a lavaria (um pouco à esquerda do centro da imagem) e as oficinas de serralharia e forja (do lado esquerdo).


Em cima: O Eng. Virgílio de Brito Murta nas Minas dos Carris em Março de 1955.


Em cima: O Eng. Virgílio de Brito Murta e José Antunes Inácio durante os trabalhos de desobstrução do caminho mineiro no dia da chegada das equipas que trouxeram mantimentos para as Minas dos Carris em Março de 1955 (ver textos anteriores desta série).


Em cima: O Eng. Virgílio de Brito Murta caminha pela neve acumulada no complexo mineiro dos Carris em Fevereiro de 1955.


Em cima: Uma rara fotografia da enfermaria (posto de socorros) das Minas dos Carris e onde surge o ‘Dr. Santos’, enfermeiro que permaneceu em serviço no complexo mineiro durante vários anos.


Em cima: O Eng. Virgílio de Brito Murta, o Tenente Silva Pereira (caixa) e Joaquim Manuel Bandeirinha (encarregado geral da superfície) junto do edifício do pessoal superior da mina (na imagem são identificáveis os edifícios de alojamento e a carpintaria em último plano) após os nevões de Fevereiro e Março de 1955.


Em cima: Robert Palmer que foi superintendente geral da Mina de S. Domingos e projectista da lavaria nova da Mina dos Carris, em Março de 1955.


Em cima: um aspecto das Minas dos Carris em Março de 1955.


Em cima: O gelo acumula-se nos cabos de electricidade das Minas dos Carris durante os nevões de Fevereiro de 1955.

Fotografias © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)

Acesso às Minas dos Carris a 14 de Fevereiro de 2016


Com as previsões meteorológicas a apontarem para uma baixa acentuada das temperaturas e a possibilidade de queda de neve a altitudes mais baixas (alguns a apontar para os 200 metros), será previsível uma enchente na Serra do Gerês e em particular nos locais de fácil acesso automóvel, nomeadamente à Portela do Homem, Portela de Leonte e Pedra Bela.

Para aqueles que vão em demanda da neve nos locais mais afastados, como as Minas dos Carris, aconselha-se bastante prudência na caminhada e que estacionem o carro no lado espanhol da fronteira. Isto, como é óbvio não é para fugir à vigilância que certamente haverá no início do percurso pelo Vale do Alto Homem, mas sim para facilitar o regresso a casa caso as estradas venham a ficar interditadas devido à queda de neve. Na estrada entre a Portela d'Home e Lobios, os serviços espanhóis têm o cuidado de espalhar sal no asfalto de forma frequente, coisa que não acontece do lado português.

Recomenda-se cuidado no acesso à Portela de Leonte caso se confirme a queda de neve. Com a inclinação da estrada e possível formação de gelo, a circulação pode ser severamente afectada. O mesmo caso para a Pedra Bela. Como é óbvio os mesmos conselhos aplicam-ser para outras zonas de montanha.

Para os montanhistas recomenda-se as usuais precauções para as condições invernais. Várias camadas de roupa, comida e bebida quente, e equipamento para situações de emergência (apito, equipamento de socorros, manta térmica, lanterna, etc.).

De recordar que o acesso ao Vale do Alto Homem é condicionado e requer autorização por parte do Parque Nacional da Peneda-Gerês. Para solicitar a autorização sigam estas dicas.

Assinalem convenientemente os locais que pretendem visitar e não abandonem os carreiros de montanha!

Boas caminhadas e mandem fotos da neve!

Aí vem a neve!


Continuam as previsões para a queda de neve a partir de Domingo, dia 14 de Fevereiro, na Serra do Gerês havendo até a possibilidade de a cota de neve descer aos 200 metros de altitude.



quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

O interior das Minas dos Carris (VI)


Esta série de publicações mostra algumas das fotografias do interior das galerias das Minas dos Carris que correspondem à concessão do Salto do Lobo. Algumas destas fotografias já terão surgido no blogue, mas esta é uma série de publicações que irá sequencialmente mostrar essas imagens.

Actualmente, com os diversos colapsos das galerias e o quase encerramento da sua entrada principal, a visita ao seu interior é extremamente perigosa e não é aconselhada.

As imagens desta publicação foram obtidas a 19 de Julho de 2007 e mostram o Piso 2 da concessão mineira do Salto do Lobo a qual dava acesso ao poço-mestre no qual existia um elevador. Daqui, partiam duas outras galerias, sendo uma delas de acesso ao antigo poço-mestre e que estava abandonada e uma segunda galeria que acabaria por ser vedada devido a uma inundação causada por uma nascente que então seria permanentemente drenada para o exterior.

As imagens mostram vários aspectos da galeria de acesso so Piso 2 e nelas pode-se ver o efeito de anos de abandono e negligência. A deterioração dos materiais devido aos efeitos da corrosão é evidente. Por outro lado, parte das galerias estão inundadas. Curiosamente, nunca encontrei ferramentas mineiras no interior das galerias e mesmo aqui, somente me deparei com a base de uma vagoneta de transporte de carga (ao contrário da concessão da Corga das Negras n.º 1 onde ainda são visíveis várias vagonetas de transporte de minério).

As fotografias mostram também a parte superior do elevador de transporte de pessoal e carga que entretanto já colapsou no Inverno de 2011.









































Fotografias © Rui C. Barbosa (Todos os direitos reservados)