terça-feira, 31 de março de 2009

Viagem às terras altas de Xertelo (III)

Carris, 4 de Junho de 2007

A próxima actividade organizada pelo blogue Carris terá lugar no dia 18 de Abril com uma visita às terras altas de Xertelo. A concentração para esta actividade terá lugar em Braga pelas 6h30 no antigo estacionamento da Bracalândia ou então em Xertelo pelas 8h00.

Fotografia: © Rui C. Barbosa

Quotidiano (V)

Carris, 26 de Março de 2009

...um quotidiano de lugares únicos.

Fotografia: © José Moreira

Catástrofe na Albergaria?... (XII)

Um rápido vídeo que mostra os efeitos do incêndio junto da Fonte da Abilheirinha...



Vídeo: © Rui C. Barbosa

segunda-feira, 30 de março de 2009

Espíritos da noite... (IV)

Carris, 2 de Junho de 2002

...e lentamente vai-se adormecendo. Pelo o véu do olhar vêm-se as sombras tremeluzentes reflectidas nas velhas ruínas. As pálpebras pesadas vão-se fechando e por entre os pensamentos inebriados, parecemos ver rostos de outrora...

Sentimos o frio da montanha que passa pela fibra... aconchegamo-nos ao recanto e desejamos ver a alvorada que aí vem...

Fotografia: © Miguel Grilo

...o frio dos tempos presentes.

Carris, 25 de Abril de 2008

...que partilhamos nós? Duas almas que se cruzam na leveza etérea do tempo...
Caio no frio chão de granito... para trás ficam as armas, todas as armaduras moldadas pelo tempo...
...tento esconder as visões do passado, mas no fundo nada mudou...
...sopra um vento frio vindo dos demónios do Norte...

O Sol põe-se para lá das altas montanhas, velhas ruínas projectam-se em sombras pelo chão...
...procuro o teu abraço, encontro o frio dos tempos presentes...
...a neve voltará um dia, dorme agora em paz...
Fito o vazio sobre os meus pés, algo nas profundezas chama por mim...

Escondemos as nossas lágrimas, fechamos as nossas almas... fechamo-nos em nós...
...grito alto por entre vales e montanhas, grito alto para apagar a dor da distância...
...o meu olhar penetra na escuridão da noite, Samael...
É eterno o tempo... curta é a noite na qual seremos livres...

Navego num oceano de lágrimas conduzindo a barcaça dos tempos há muito perdidos...
...navego para lá do ocaso dos dias, fujo da luz num desejo pela noite das trevas...
...caminho acompanhado pelas sombras dos tempos de outrora...
...o que morre dentro de mim?

Escondo-me do teu profundo olhar...
...afago as cicatrizes de outras batalhas com as lágrimas que já não choro...
...do Altar vejo a ondulante mortalha que percorre toda a Terra...
...uma sombra esconde o Sol... rapinas na noite.
...um sonho que morreu na escuridão...

Fotografia: © Ricardo Saraiva

Panorâmica da Serra do Gerês desde o Altar de Cabrões / Pico do Sobreiro

Carris, 26 de Março de 2009

Uma vista panorâmica da Serra do Gerês a partir do Altar de Cabrões / Pico do Sobreiro.



Vídeo: © Rui C. Barbosa

domingo, 29 de março de 2009

Notas Históricas (LXXVI)

Carris, 25 de Março de 1943

A 25 de Março de 1943 era aprovado o relatório de reconhecimento e demarcação da concessão mineira do 'Salto do Lobo' que havia sido levado a cabo a 4 de Agosto de 1943 por Luiz Azeredo Sá Fernandes, Engenheiro Chefe da Circunscrição Mineira do Norte, e Manuel Virgínio Ferreira Camarinhas, Agente Técnico de Engenharia de Minas.

A 25 de Março de 1946 é emitida pela Direcção Geral de Minas e Serviços Geológicos a portaria de que aprova o plano de lavra do 'Salto do Lobo' apresentado pela Sociedade Mineira dos Castelos Lda.

A 25 de Março de 1988 a Sociedade das Minas do Gerês Lda. envia ao Secretário de Estado da Energia aquele que seria o último pedido de suspensão de lavra para a mina do Salto do Lobo, evocando a baixa cotação dos minérios de volfrãmio nos mercados internacionais.

Fotografia: © António Ribeiro / Rui C. Barbosa

Catástrofe na Albergaria?... (XI)

Para quem procura uma causa para os incêndios de Março no Parque Nacional da Peneda-Gerês, aqui ficam mais algumas fotografias... As fotografias foram obtidas a 21 de Março de 2009.

Estas imagens mostram o fogo na área dos Prados da Messe...

Esta imagem mostra o fumo do incêndio que supostamente ardia nos Prados Caveiros...

Fotografias: © Dorita

sexta-feira, 27 de março de 2009

Catástrofe na Albergaria?... (X)

Enquanto procuramos uma explicação para o que aconteceu nos dias 21, 22 e 23 de Março no Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG), surgem algumas pistas que nos podem ajudar a compreender melhor todo o cenário de catástrofe que se foi criando.

Uma das fantásticas conclusões tiradas pelos responsáveis governamentais foi a de que o incêndio provavelmente teria tido origem humana, fosse ela por descuido ou por dolo. As imagens que aqui reproduzo mostram o que poderá ter sido a origem do incêndio que mais tarde iria afectar a área próxima da Mata da Albergaria. Nelas vemos um incêndio a ser combatido na área dos Prados da Messe.

Terá sido a evolução deste fogo que terá originado o incêndio que chegou à Mata da Albergaria e Bosque da Abilheirinha? Foi este o fogo no qual um mau rescaldo terá originado a catástrofe? Continuamos à espera que as autoridades oficiais nos ofereçam uma explicação para o sucedido...

As fotografias foram enviadas por uma fonte anónima.

...eterna noite.

Carris, 20 de Janeiro de 2008

...noite eterna, eterna noite...
Choramos um olhar, sentimentos perdidos na Saudade...
Mergulhamos na amargura, vemos as sombras que passam fugazes...
...por trilhos de pó vamos caminhar ansiando o desejo.

Os céus escurecem e encobrem a luz da Lua, companheira da noite eterna, eterna noite...
...sinto o frio dos sentimentos do passado, o tormento das memórias...
...sinto o fogo que me consome por dentro...
Saberemos alguma vez o que se pôs entre nós?

...na solidão contemplo a perda, uma tristeza varre os sentimentos..
Sonhos despedaçados... Fico à sombra do Anjo Negro...
...dormimos um sonho profundo numa noite eterna, eterna noite...

Abraço a solidão e a saudade... viajo por uma noite eterna...
...procuro a paz na escuridão... onde acabarei meus dias?
...e de repente encontro-me no alto da montanha e estendo as minhas asas...
...elevo os braços aos céus sem estrelas e num instante percorro todas as terras da Criação...

Vejo os fantasmas do Amor companheiros da tormenta...
...no momento da perda sinto um último suspiro... um vulto que se forma...
...vejo a magnificência das montanhas, companheiras na solidão...
Adormeço para a noite eterna, eterna noite...

Fotografia: © Rui C. Barbosa

Catástrofe na Albergaria?... (IX)

Albergaria, 26 de Março de 2009

Tive a oportunidade de passar pela Mata da Albergaria na manhã do dia 26 de Março e depois ao final da tarde de regresso dos Carris.

Pela manhã obtive algumas fotografias do terreno onde são visíveis os efeitos do incêndio dos dias 21, 22 e 23. Em alguns locais, e já se sabia, o fogo chegou a atingir a estrada entre as Caldas do Gerês e a Portela do Homem. Em algumas zonas o efeito não é visível, mas noutros lugares a paisagem deverá demorar um pouco a recuperar caso não chova muito potenciando uma possível erosão dos solos.

Na parte da tarde ao descer dos Carris o efeito do fogo é visível a uns 100 metros antes da Fonte da Abilheirinha. O Bosque da Abilheirinha foi muito castigado e o belo cenário que tinhamos junto à fonte está totalmente diferente. A área queimada acompanha o trilho desde a Abilheirinha até ao seu início.

Ao regressar a Braga e passando novamente pela Mata da Albergaria, deparei-me com um carro de bombeiros a encher os tanques junto da Ribeira de Monsão pois aparentemente havia o perigo de um reacendimento..

Aqui estão as fotografias...

Desde o cruzamento para S. João do Campo até à ponte sobre o Rio Homem no lado direito da estrada e na direcção da fronteira...









Admito a minha completa ignorância no que diz respeito ao combate a fogos florestais, mas como é que após se dar um fogo por extinto no dia 23 de Março ainda se vê um fumo mais ou menos intenso em algumas zonas sem haver por perto a presença de algum meio de prevenção? Alguém me responde ou as entidades vão continuar a menorizar a preocupação que muitas pessoas têm por esta questão?

Desde a Fonte da Abilheirinha até ao início do trilho para as Minas dos Carris, descendo e do lado esquerdo voltado para os Prados Caveiros...



...e ao fim de tantos anos de proibições e de um clima de tensão e medo provocado pelo PNPG e pelo SEPNA a quem quer disfrutar do contacto directo com a Natureza e da belaza do nosso único parque nacional, os responsáveis não foram capazes de evitar esta catástrofe. Somente numa sociedade como a nossa onde não há o hábito de as populações pedirem responsabilidades é que se permite que se continue com este estado de impunidade das próprias autoridades.

Os responsáveis do PNPG têm a obrigação de nos informar sobre o que falhou neste incêndio evitando justificações como "o que falhou foi o incêndio ter ocorrido!" Onde estava a prevenção? Onde estava a vigilância? Quem errou? E como evitar que no futuro volte a acontecer? Que o dia de Domingo não seja também resposta para estas questões. Sendo um parque nacional este tem de possuír os meios de vigilância e de intervenção primária para evitar o que aconteceu.

No final deste triste episódio e vendo o terreno posso concluir que acaba por ser uma sorte este incêndio ter deflagrado em Março, pois se tivesse acontecido em Julho, Agosto ou Setembro muito provavelmente teríamos uma imensa área ardida ajudada por uma carga térmica e condições atmosféricas que não se verificaram neste caso.

Mas pronto, nós só amamos a Natureza...

Fotografias: © Rui C. Barbosa

Catástrofe na Albergaria?... (VIII)

Albergaria, 26 de Março de 2009

Pelas 8h00 do dia 26 de Março de 2009 na Mata da Albergaria...



Vídeo: © Rui C. Barbosa

quinta-feira, 26 de março de 2009

132... as inesperadas são as melhores caminhadas

Carris, 26 de Março de 2009

Tinha planeado somente voltar a Carris em Abril próximo, no entanto um convite do Zé Moreira fez-me mudar de ideias e além do mais a razão era nobre. O objectivo era percorrer o Sendeiro das Sombras, subir ao marco geodésico de Carris e daí atingir o Altar de Cabrões.

Após passar as Caldas do Gerês foi aumentando a curiosidade mórbida de ver o rescaldo do incêndio que ameaçou a secular Mata da Albergaria. Os primeiros sinais surgiram na estrada já perto do entroncamento com o estradão florestal para S. João do Campo / Vilarinho das Furnas. O fogo manchou de negro toda a encosta à nossa direita para quem viaja em direcção à Portela do Homem e a paisagem verde que esperavamos ver nesta Primavera já não irá aparecer. Em vários locais o fogo atingiu mesmo a estrada, vendo-se ainda o fumo a surgiu em alguns pontos...

Prosseguindo em direcção à Portela do Homem tive um vislumbre rápido sobre o Vale do Alto Homem e era aparente que o fogo havia lá penetrado sem dificuldade. Porém, a verdadeira dimensão desta progressão só seria visível ao final da tarde.

A caminhada pelo Sendeiro das Sombras iniciou-se a um excelente ritmo pelas 8h30 junto da Ermida da Na. Sra. do Xurés. Com um dia primaveril a fugir para o Verão a progressão fez-se rápida e em menos de duas horas chegavamos às Minas das Sombras. Após uma breve paragem prosseguimos em direcção à fronteira para as terras lusas e em direcção ao marco geodésico dos Carris. Após vencer a encosta e tendo por vista já a represa dos Carris, dirigimo-nos para o nosso objectivo: o Altar dos Cabrões. Com uma paisagem soberba ainda pontilhada por restos da neve do último Inverno, esta convidava à contemplação. Após vários minutos no Altar de Cabrões seguimos em direcção à represa dos Carris e depois para as Mina dos Carris. A descida fez-se pelo Vale do Alto Homem.

Após penetrar nos limites do bosque da Ablheirinha e a poucas dezenas de metros da Fonte da Abilheirinha, tornou-se clara dimensão do incêndio que assolou o Parque Nacional da Peneda-Gerês entre 21 e 23 de Março. As marcas do incêndio são visíveis nas escarpas sobranceiras aos Prados Caveiros descendo até ao trilho dos Carris e seguindo este até à ponte sobre o Rio Homem. Na estrada para a Portela do Homem que passa pela Mata da Albergaria as marcas são visíveis desde o cruzamento para S. João do Campo, Ribeira do Forno, Costa da Sabrosa e Ribeira de Monsão.

Ficam as fotografias do dia...

Fotografias: © Rui C. Barbosa