segunda-feira, 31 de maio de 2010

Trilhos Seculares - Portela do Lagarto / Sra. da Peneda / Portela do Lagarto

Lamas de Mouro, 28 de Maio de 2010

Meio da tarde, tenda montada, nada que fazer e algumas horas antes da noite chegar. Que fazer em Lamas de Mouro? O Trilho Interpretativo de Lamas de Mouro já o havia percorrido há uns meses e o mesmo se passava com o trilho equivalente em castro Laboreiro bem como o Trilho Castrejo. Decidi então fazer parte do velhinho Trilho de Longo Curso do Parque Nacional da Peneda-Gerês entre a Portela do Lagarto e a Sr.a da Peneda. Na Porta de Lamas de Mouro prometeram-me um fantástico carvalhal em Tieiras e paisagens quase selvagens, porém rasgadas por uma estrada.

Guardado pelo perfil do Lagarto, rapidamente encontrei a velha calçada vários metros à frente da alminha do Lagarto. Para quem se dirige á Sr.a da Peneda, a calçada fica do lado esquerdo da estrada. A promessa do frondoso carvalhar surgiu ali. Com os seus ramos retorcidos e cascas cobertas de líquenes e musgos, parecia entrar num cenário digno do "Senhor dos Anéis" na velha floresta da Fangorn. Por momentos até pareceu-me escutar os múrmurios das árvores e os pesados passos de um Ent. Estava no carvalhal de Tieiras já quase á sombra dos picos do Pinheirinho. O Rio de Tieiras (Rio da Peneda) percorre o vale por entre o carvalhal e acompnha o trilho até à Sr.a da Peneda.

Chegando á zona onde o trilho cruza a estrada, uma centena de metros enveredada na floresta encontrei um novo atentado ao nosso património. A Casa do Guarda de Tieiras, que até ali me havia passado despercebida, é mais um marco ao abandono, vandalismo e desprezo por um passado não muito longínquo mas que os burocratas decidiram que deveria ser abandonado (será uma feita entrada neste blogue dedicada a esta casa).

O trilho continua a descer em direcção ao fundo do vale cruzando pequenos riachos e ladeado por grandes rochas. Um pouco à frente da Casa de Tieiras passamos por Fabela (à esquerda) e pelo Roução (à nossa direita), até chegar à Cruz Nova. Já avistando as fantásticas paredes da Meadinha, local de escalada por excelência no Parque Nacional, vamos cruzando pequenos matagais e avistando também as primeiras casas da Sr.a da Peneda.

O regresso à Portela do Largarto foi feito pelo mesmo trilho. Algumas fotografias...














Fotografias: © Rui C. Barbosa

sexta-feira, 28 de maio de 2010

História das Minas das Sombras

Não muito longe das Minas dos Carris, as Minas das Sombras guardam ainda os segredos relativos à sua História. De facto, uma procura na Internet não devolve resultados relacionados com este assunto e enquanto que os factos das Minas dos Carris vão surgindo aos poucos á luz do dia, as passagens históricas das Sombras encontram-se envoltas nas neblinas de um passado não muito longínquo.

Há uns dias atrás vi na Televisão Galega um excelente documentário sobre a presença da Alemanha Nazi na Galiza durante a Segunda Guerra Mundial. Hitler contou com dois portos de abrigo nas costas galegas para os seus submarinos e estas mesmas costas serviam de ponto de envio do valioso volfrâmio espanhol que, tal como o português, serviam para alimentar a máquina militar industrial no tempo de guerra.

O José Moreia, autor do blogue Bordejar, tem feito alguns trabalhos para desvendar a história oculta das Minas das Sombras e foi graças aos seus esforços que conseguiu ter acesso a um trabalho do geólogo francês Francis Cottard que estudou esta exploração mineira galega. Neste trabalho surge o mapa das Minas das Sombras que encabeça esta entrada no blogue e que é tirado do documento "Grupo minero, Las Sombras" de autor desconhecido.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Postais do Gerês (XLVIII) - Aldeia de Pitões das Júnias e Serra do Gerês

Uma edição do ano 2000 pela Câmara Municipal de Montalegre, este postal mostra-nos uma das paisagens mais conhecidas da Serra do Gerês e uma das suas aldeias mais peculiares, Pitões das Júnias.

Fotografia: © Rui C. Barbosa

terça-feira, 25 de maio de 2010

Sociedade das Minas do Gerês, Lda

A 'Sociedade das Minas do Gerêz, Lda.' foi a terceira empresa a laborar nas Minas dos Carris depois da Domingos da Silva, Lda. e da Sociedade Mineira dos Castelos, Lda.

A Sociedade, constituída a 8 de Julho de 1950, é inicialmente constituída por capitais totalmente portuguêses tendo três sócios: José Rodrigues de Sousa, José Antunes Inácio e Francisco França, também conhecido por ‘Chico França’.

A transição da concessão mineira do Salto do Lobo para a 'Sociedade de Minas do Gerez' dá-se a 25 de Julho de 1950 quando a Sociedade Mineira dos Castelos, Lda. estava já na gestão de uma Comissão Liquidatária.


A autorização de transferência da concessão para a 'Sociedade das Minas do Gerêz, Lda.' é dada a 2 de Novembro de 1950 e a certidão de transferência é passada pelo notário Francisco Mário de Sousa, do Porto, a 4 de Dezembro de 1950, sendo deferido a 18 de Dezembro o requerimento da 'Sociedade das Minas do Gerêz'. O alvará de transmissão da concessão tem o número 4712 (referente à mina 2234 Salto do Lobo).

A partir de 1 de Março de 1953, a empresa mineira britânica Mason & Barry passa a fazer parte da Sociedade através de uma sessão de quotas e comparticipando com uma quota de 408.000$00. O capital social da Sociedade das Minas do Gerês, Lda. era na altura de 800.000$00, ficando assim a Mason & Barry com uma quota maioritária, pois o capital social não foi alterado com a sua entrada.

Fotografias: © José Rodrigues de Sousa / Rui C. Barbosa

Um outro olhar... (XX)

Carris, 20 de Maio de 2010

Um outro olhar pelas paisagens dos Carris e da Serra do Gerês pela objectiva de David Gonçalves.






Fotografias: © David Gonçalves

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Um perigo por onde se espreita

Vi hoje no canal da televisão da vergonha (vulgo TVI) que a Ministra do Ambiente esteve no Algarve a assistir ao derrubamento de mais umas arribas para proteger o comércio local (desengane-se quem pensa que aqueles trabalhos são feitos para proteger as pessoas). Os trabalhos lá foram feitos com toda a pompa, circunstância e respectivas explicações, com a Ministra a mostrar-se muito interessada nestas últimas (mas de certeza que, tal como um pássaro, voaram já para longe).

Ao mesmo tempo que via aquela reportagem fui-me lembrando dos perigos por onde se espreita nas Minas dos Carris. Atenção, não escrevo "...por onde se espreita..." por mero floreado linguístico, mas porque é mesmo isso que muitas pessoas fazem.
A reportagem terminou com uma brevíssima referência à nova sinalética de aviso aos banhistas, pois pelos vistos estes não seriam o suficientemente inteligentes para compreender a sinalética anterior. Na verdade, dúvido que alguém compreenda algo feito pelo Ministério do Ambiente, tal como este foi capaz de referir a respeito da falta de compreensão com os objectivos da Portaria 1245/2009; mas pronto, esta é outra luta...

Há já muitos, mas muitos anos que venho alertando para o perigo que representa um poço mineiro em plena Serra do Gerês. Um poço com cerca de 150 metros de profundidade não é algo que deva ser tartado de ânimo leve, pois representa um perigo para os visitantes daquela wilderness.

Se bem que em tempos a Sociedade das Minas do Gerês teria tido a responsabilidade de precaver e segurar as instalações mineiras, mais de 35 anos após o encerramento das minas não se compreende como é que nem há entrada do complexo nem no início de tão percorrido trilho, exista um aviso que alerte os visitantes do potencial perigo que aquele poço já devidamente referenciado por mim inúmeras vezes, representa.

No topo da pirâmide o Estado é o último responsável por qualquer acidente que ali venha a acontecer; na base desta estarão talvez os funcionários do PNPG que não se terão lembrado de o sinalizar. Neste país é o mexilhão que se... verá responsabilizado por qualquer desgraça que venha a acontecer. O perigo está lá para todos o verem e felizmente não é um registo gravado para que um deputado ladrão o possa fazer sumir.

...(in)felizmente estamos longe do Algarve e o Gerês é tão para Norte.

Fotografia: © Rui C. Barbosa

quinta-feira, 20 de maio de 2010

TVI - Vergonha, tortura e sangue

Porque nunca é demais gritar contra a indiferença!!!

Dando início a mais uma triste e vergonhosa época de tortura e mau trato dos animais, antecâmara do terror que o Verão representa para os animais em Portugal, a TVI (Televisão da Vergonha Indecente) transmite esta noite mais uma sessão de tortura e violência contra os animais em Portugal.

Tudo com o benemérito de uma sociedade para a qual o sofrimento dos animais passa ao lado, entretida com as telenovelas, os escândalos e os futebóis...

Para saber mais sobre a verdade, a tortura e a crueldade daquilo a que infelizes chamam cultura...

Notas Históricas (CXLXI) - Éditos de Concessão

Carris, 9 de Maio de 1949

O seguintes éditos de concessão referem-se a concessões mineiras nas Serra do Gerês atribuídas à Sociedade Mineira dos Castelos, Lda. Referem-se às concessões com o registo n.º 330 "Pinhedo" (Cabril - Montalegre), n.º 331 "Lamalonga n.º 1" (Cabril - Montalegre), n.º 332 "Lamalonga II" (Cabril - Montalegre), n.º 333 "Lamalonga III", registadas a 30 de Julho de 1941, e n.º ?9 "Cidadelhe" (Vilar da Veiga - Terras de Bouro) e registada a 22 de Julho de 1941.



Fotografia: © Rui C. Barbosa

Centro de Educação Ambiental do Vidoeiro

Tirando partido das antigas instalações das velhas camaratas no Vidoeiro, foi criado o Centro de Educação Ambiental do Vidoeiro, um local privilegiado de informação ao visitante do Parque Nacional da Peneda-Gerês e de trabalho com escolas e outros grupos organizados.

Para além de informações sobre os valores naturais e culturais do PNPG, o visitante pode aqui recolher sugestões de visita e de percursos pedestres, bem como outra informação útil à organização da sua visita (alojamentos, empresas de animação ambiental e licenças necessárias).

O Centro está equipado com Recepção / Loja da Natureza, Auditório, Biblioteca, Laboratório, Exposições Temáticas, Sala multimédia, Sala de actividade e um Jardim de Plantas Aromáticas e Medicinais.

Com tanta coisa boa, é pena que fora do período estival esteja fechado ao Domingo e feriados, dias preferenciais de visita ao parque nacional...

Fotografia: © ICNB, IP / PNPG

terça-feira, 18 de maio de 2010

Quotidiano (XI)

Carris, 17 de Maio de 2010

O quotidiano nas Minas dos Carris é um quotidiano de grandes homens em paisagens imensas...

Fotografia: © Rui C. Barbosa

152 - Sombras - Carris - Sombras - 'Recordando o Miguel'

Carris, 17 de Maio de 2010

A promessa estava feita há já algum tempo, faltavam as oportunidades. No entanto, e ao passarem dois anos do falecimento do Miguel Campos Costa, surgiu a oportunidade de o homenagear com uma visita ás Minas das Sombras e ás Minas dos Carris.

Tanto a história de um ou de outro complexo mineiro são feitos de factos testemunhados em tinta em pedaços de papel arrumados em arquivos poeirentos e mal tratados. No entanto, nem só desses factos vive a história das Sombras e dos Carris. Esta história também se escreve com o viver das pessoas que lá trabalharam e que por lá passaram dias, semanas em contemplação de uma paixão pela montanha, por aqueles lugares.

Sem dúvida que quando um dia se escrever a história das Sombras, e principalmente das Minas dos Carris, a passagem do Miguel por lá terá muitos parágrafos reservados.

O Gerês continua a ser teu Miguel e sempre o será...
















































Fotografias: © Rui C. Barbosa