terça-feira, 30 de setembro de 2008

Expo Minerais, Coleccionismo e Curiosidades

Vai ter lugar entre os dias 4 e 6 de Outubro a "Expo Minerais, Coleccionismo e Curiosidades" que estará patente no Café Jovém. Para além de ser um projecto de um amigo, esta exposição vai viver de paixões.

Os visitantes poderão apreciar diversas colecções de minerais de vários coleccionadores e outras curiosidades. Perguntam, mas qual a relação desta exposição com as Minas dos Carris. Pela primeira vez, poderão ver algumas fotografias dos primeiros anos da exploração mineira em Carris provenientes da minha colecção pessoal.

Uma exposição a não perder!

(O Café Jovem está localizado no n.º 222 da Rua de S. Vicente, em Braga, junto à Igreja de S. Vicente).

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Vamos todos presos!... (sim, é um título irónico...) (II)

Carris, 20 de Setembro de 2008

Eu concordo com todos vocês. É sem dúvida uma vergonha o que se passou e pior ainda é o teor da carta que me foi endereçada.

Porém, penso que deveremos ser diplomáticos e ter um pouco de calma. É óbvio que eu gostava de poder publicar a carta no blogue (claro que o posso fazer e se calhar até seria isto que alguém poderia esperar), no entanto temos de ir com calma. Optar por actos mais «violentos» só nos iria tirar credebilidade e nós sabemos que temos a razão do nosso lado. Há maneiras de podermos conciliar a vivência com a Natureza e a necessidade de preservar o que de melhor nós temos. Agora, não sei se temos de ser nós a pensar nisso quando certamente haverá alguém que é pago por todos nós para o fazer...

Penso que temos de nos unir e mostrar em todas as frentes (nos nossos blogues, nos nossos sítios, chamar a atenção dos meios de comunicação social, etc) o que na realidade se está a passar. Porque o problema não se põe somente no facto de o Parque Nacional da Peneda-Gerês não nos ter apoiado na nossa campanha de limpeza dos Carris. O problema é muito mais vasto e no fundo acaba por estar relacionado com a segurança de todos quando vamos para a serra. O problema está num caminho intransitável e que irá continuar assim por muitos mais anos. Agora que temos helicópteros já não vale a pena reparar o caminho. O problema vai surgir no dia em que alguém se magoar a sério e os helicópteros não poderem voar devido ao mau tempo ou ao preço do combustível (!) Aqui todas as vozes se vão levantar e falar sobre o que se poderia ter feito e não se fez. O problema está em não se ter acautelado a construção de abrigos de montanha e se ter deixado degradar muitos abrigos em toda a montanha.

Depois alguém irá perguntar o porquê de, apesar de estarmos num parque nacional ou no que restar dele, termos montanhas de lixo todo espalhado pelos caminhos, pelos trilhos, pelos currais, pelas encostas. Aí, alguém vai dizer.... "há uns anos, um grupo de irresponsáveis que não acatou uma ordem do parque andou aqui a limpar... pena agora que não haja mais desses!". E muitos irão escrever páginas e páginas sobre o que se perdeu, sobre o voluntariado (será que este é o problema? Ninguém a ganhar dinheiro?) que se poderia aproveitar para limpar a serra.

Por isso, penso que devemos alertar para o problema que cresce a cada dia que passa pois é a nossa segurança que está em jogo e não admito que um burocrata sentado em Braga brinque com a minha segurança só porque sim... como noutros tempos.

Fotografia: © Rui C. Barbosa

Por um acesso livre às nossas Áreas Protegidas

Não estando directamente relacionada com o tema deste blogue, apelo no entanto a todos os leitores para visitarem esta petição http://www.petitiononline.com/APLivres/petition.html e assinarem.

Lomba / Cadeiró para os lados de Xertelo

Carris, 20 de Setembro de 2008

Ao iniciar o estudo e a recolha de informação acerca da exploração mineira na Serra do Gerês, deparei-me com um mapa no qual estavam delimitadas as concessões mais importantes perto dos Carris. Para lá das concessões do Salto do Lobo, Lamalonga e Corga das Negras, surgiam também outras mais afastadas tais como o Borrageiro e o Castanheiro. Ainda mais afastada estava assinalada uma concessão designada Lomba / Cadeiró.

Esta será uma das concessões menos conhecidas existentes na Serra do Gerês. Localizada a 1 km N de Xertelo e a 3 km NNE de Cabril (e a 3,5 km do Covelo do Gerês), esta terá sido uma pequena concessão atribuída à Sociedade Portuguesa de Minas da Lomba de Crasto, Lda.

Esta será uma das minhas próximas visitas.

Fotografia: © Rui C. Barbosa

domingo, 28 de setembro de 2008

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Carris e os outros...

Carris, 20 de Setembro de 2008

Ainda um pouco atónito por causa da carta que me foi endereçada pelo Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG) em relação à limpeza que foi (foi!!!!!) levada a cabo no passado dia 20 de Setembro, começo a pensar qual realmente será o futuro daquele local?

Para ser sincero já perdi a esperança de algum dia ver nascer naquele local algo de útil para as centenas (ou direi milhares) que gozam a Serra do Gerês. Já não falo da conservação do património que se deixou ir degradando ao longo dos últimos anos e muito menos de um museu mineiro que possa mostrar o que foi viver em Carris naqueles anos difíceis.

Todos nós gostariamos de ter o PNPG como parte integrante de um movimento que fizesse com que a Serra do Gerês e as outras serras que integram o nosso único parque nacional, fosse uma zona onde a protecção da natureza e a educação ambiental estivessem de mãos dadas. Infelizmente tal não acontece e aos poucos quem dirige o PNPG ou o ICNB vai-se afastando do público, criando um fosso cada vez mais difícil de ultrapassar.

Fotografia: © Rui C. Barbosa

Problemas de acesso... (II)

...e ao terceiro dia os especialistas da ZON TV Cabo ainda não conseguiram descobrir qual o prblema que afecta o serviço de ADSL de muitos utilizadores de Braga... bem vindos ao Séc XXI!...

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Problemas de acesso...

Devido ao excelente serviço de ADSL proporcionado pela ZON, estou sem acesso à Internet desde a madrugada do dia 23. Este blogue será retomado assim que os especialistas (cof!) descubram o que se passa!

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Vamos todos presos!... (sim, é um título irónico...)

Carris, 20 de Setembro de 2008

Como já foi aqui dito por várias vezes, no passado dia 20 de Setembro teve lugar uma actividade promovida por um grupo de cidadãos preocupados que teve como objectivo limpar a zona das Minas dos Carris. Sabendo o autor deste blogue, que não é homem de confusões, da condição especial daquele local e dos seus acesso no âmbito do Plano de Ordenamento do Parque Nacional da Peneda-Gerês (PNPG), teve o cuidado de elaborar uma carta ofício que foi remetida ao PNPG e na qual se propunha a actividade, solicitava uma autorização para a sua realização e pedia-se, se não fosse muito incómodo, uma colaboração por parte do PNPG na recolha e transporte dos detritos que por ventura fosse recolhidos. A carta ofício foi remetida ao PNPG em tempo útil no dia 21 de Agosto de 2008.

Com o passar dos dias e depois das semanas não recebi qualquer resposta por parte do PNPG em relação a este assunto. No dia 20 de Setembro um grupo de 18 pessoas compostas por amantes da Natureza acostumados a calcorrear a Serra do Gerês e por habitantes de Vilar da Veiga e das Caldas do Gerês, percorreu os quase 20 km para concretizar a actividade a que nos propusemos. Recolhemos quilos de detritos e acondicionamos quilos de ferro velho. O lixo possível de ser transportado foi trazido pelos participantes em sacos de plástico e mais tarde acondicionados em local próprio na zona do Vidoeiro. Fizemos tudo isto sem uma resposta por parte do PNPG. Transportamos quilos de detritos à força de braços que chegaram doridos à Portela do Homem de transportar dois, três ou quatro sacos de lixo cada um de nós. Chegamos ao fim com um sorriso no rosto. Com um sorriso no rosto porque fizemos o que nos havíamos proposto fazer. Com um sorriso no rosto porque soubemos que estavamos a fazer algo de útil para a área protegida. Com um sorriso no rosto porque sabemos que os animais que dambulam pela serra terão agora uma menor probabilidade de ficarem feridos ou mesmo morrerem por causa do lixo, do plástico, do vidro que sujava os Carris. Com um sorriso no rosto porque ajudamos uma comunidade e que partilhou connosco o prazer de fazer o que estávamos a fazer. Não sei se criamos amigos, mas forjamos amizades!

Hoje, dia 22 de Setembro, aconteceu algo que sinceramente já não esperava que acontecesse. Esperava que no seu silêncio o PNPG nos tivesse ignorado de forma inteligente... pelos vistos assim não o fez! Hoje, dia 22 de Setembro, recebi uma resposta à carta que havia enviado a 21 de Agosto... e mais valia não a ter recebido!

Por simples respeito não a vou reproduzir aqui neste blogue (acreditem que bem apetecia!), mas faço um resumo do que lá está escrito. Intitulada "Proposta de Acção de Limpeza da Área dos Carris do Parque Nacional da Peneda-Gerês", a carta começa por agradecer e louvar a disponibilidade que nós, grupo de cidadãos preocupados, teriamos para ajudar na limpeza do local. Porém, a inacessibilidade do local para meios de transporte e recolha do lixo impede o PNPG der o transportar, facto que iria piorar a situação actualmente existente ao concentrar grandes quantidades de lixo que ficariam à mercê do vento e da chuva, bem como da fauna, "...acabando assim por ser todo espalhado novamente." A carta refere também que o Plano de Ordenamento do PNPG não permite a deslocação aos Carris e assim é-nos informado que a solicitação que havíamos feito não é autorizada!

Finalmente, é referido que à necessidade de uma campanha de limpeza daquele local o PNPG não deixará de aproveitar a disponibilidade demonstrada para nos contactar "...para qualquer actividade que o PNPG possa organizar nesse sentido."

Como é óbvio, este carta tem de merecer uma resposta que não pode ser dada por via de um correio electrónico que se apaga sem deixar rastro e este blogue não será o seu papiro. No entanto gostava de dizer aqui alguma coisa sobre isto... Não deixa de ser confrangedor o facto de o PNPG admitir que existe uma grande quantidade de lixo nos Carris... quer dizer, existia porque nós já o limpamos! O facto de se admitir que existe uma grande quantidade de lixo e tendo em conta que ele não caiu do céu num dia de tempestade leva-nos a perguntar porque é que o PNPG já não organizou uma campanha deste tipo à mais tempo? O que é que o PNPG espera? Por outro lado, o estado da estrada de acesso aos Carris continua a ser motivo de desculpa falaciosa para nada se fazer! Pior de tudo é que nada se faz para se melhorar o caminho... e já nem vale a pena entrar em considerações de segurança para quem anda por lá... pois isso não acontece porque é... proibido! Adiante... o medo de estragar os veículos todo-o-terreno novos é algo de superior à importância de se efectuar uma limpeza de uma área sensível do PNPG. O PNPG não deveria de ter medo disso... não faltaria gente para ir aos Carris e transportar o lixo de volta. Mas também isso não é importante... nós trouxemos o lixo à força de braços. Por isso, não se preocupem...

Sabem o que devem fazer com o Plano de Ordenamento do Parque Nacional da Peneda-Gerês? Não sou eu que vos vou dizer, vocês têm muitos estudos para saber o que fazer... espero é que tenham uma moral para o fazer...

Esta entrada no blogue já vai longe e muito mais haveria que dizer. Se nesta altura estão tão chocados como eu em relação a este assunto então porque não escrever ao Director do Departamento de Gestão de Áreas Classificadas do Norte, Doutor Henrique Miguel Pereira, e como cidadãos preocupados perguntar o porquê destas coisas acontecerem? Peçam-lhe para que os burocratas desçam à Terra e tomem consciência da realidade... sim, à mais mundo para além das paredes do gabinete!

...já chega!

Fotografia: © Rui C. Barbosa

domingo, 21 de setembro de 2008

O amor da Paula e do Jorge (II)

Carris, 20 de Setembro de 2008

Este é realmente um tema sobre o qual não gosto de escrever, mas por vezes há coisas que acontecem que não consigo compreender o porquê de alguém as fazer.

Há umas semanas escrevi neste blogue acerca da estupidez do Jorge (ou quiçá da Paula!) quando decidiram mostrar a todo o mundo o seu amor ao fazerem das paredes das casas das Minas dos Carris e das paisagens do Gerês, as telas da sua verborreia cerebral. Um destes infelizes, num esgar da única sinapse, decidiu levar uma lata de tinta e pintar a paisagem de vermelho. Um acto infantil que roça a mediocridade...

Porém, qual foi o meu (digo antes, o nosso) espanto quanto um dos cidadãos preocupados que dia 20 de Setembro de 2008 decidiu limpar Carris, foi encontrar, arremessada por entre a urze, aquilo a que podemos chamar a arma do crime que eternizou o amor da Paula e do Jorge no alto da serra. Assim, para além de não estarem contentes em mostrar a sua imbecilidade a todo o planeta, um destes energúmenos ainda foi atirar a lata para bem longe pensando que mais um pouco de lixo não fará diferença naquele lugar sem ter a consciência que poderia ter metido a lata num sítio que lhe seria bem mais agradável...

Fotografia: © Rui C. Barbosa

sábado, 20 de setembro de 2008

Limpamos os Carris!

Carris, 20 de Setembro de 2008

Limpamos os Carris!

Fotografia: © Rui C. Barbosa

123!

Carris, 20 de Setembro de 2008

Mais uma visita às Minas dos Carris desta vez com o intuito de, juntamente com outras pessoas, fazer uma limpeza daquele local.

É sabido que muitas pessoas que visitam as Minas dos Carris, e as nossas montanhas em geral, têm um vácuo profundo entre as orelhas o que as leva a cometer actos que danam os locais que visitam. Estranha maneira, esta, de apreciar a Natureza... destruir, fazer lixo e fingir que tudo vai bem e que não é nada com eles...
Esta caminhada começou pelas 8h30 e por volta das 12h00 os primeiros elementos de um grupo de 18 pessoas (afinal sempre fomos 18!) chegavam às Minas dos Carris. O dia esteve ameno e óptimo para caminhar. Depois de aguardar pela chegada dos mais atrasados, fomos almoçar e finalmente iniciamos as actividades de limpeza. Estas consistiram na recolha da maior quantidade de lixo possível (plásticos, latas, garrafas e outros recipientes de vidro). Juntamos também todas as chapas e metais que aqui e ali marcavam a paisagem próxima das minas e amontoamos todo este metal junto dos antigos balneários. O lixo possível de ser transportado foi colocado no interior de sacos de plástico e levado até à ponte sobre o Rio Homem, a partir de onde foi transportado para as imediações do Vidoeiro e colocado nos recipientes apropriados.

Foi um bom grupo de cidadãos preocupados que resolveu assim tomar como sua uma tarefa que possivelmente deveria ter sido feita pelo Estado. Com a colaboração das gentes do Gerês e de Vilar da Veiga conseguiu-se assim tornar o local numa zona mais aprazível para quem a visita... mesmo que só seja para sujar e conspurcar...
Fotografias: © Rui C. Barbosa

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Carris

Carris, 26 de Abril de 2008

...porque há emoções que não se explicam, sentem-se...
...porque há lugares que não se esquecem, vivem-se...
...porque há paisagens que não se descrevem, recordam-se...
...porque há sons que não se comparam, fecham-se os olhos e imaginam-se cores...
...porque há olhares que tudo descrevem...
...porque há recordações que tudo valem...
...porque há deveres que se cumprem...
...porque este país é nosso e mais ninguém cuida dele se não formos nós a fazê-lo...
...para homenagear os que por lá passaram e aqueles que um dia virão...

Fotografia: © José Afonso Duarte

Outros lugares de Carris (LXVII)

Carris, 28 de Janeiro de 2007

...como areia por entre os dedos.

Fotografia: © José Afonso Duarte

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Lavaria das Minas dos Carris

Carris, 10 de Agosto de 2008

A lavaria das Minas dos Carris é ainda hoje uma construção de impressiona o visitante daquele local. Ao se visitar as suas ruínas dificilmente se terá uma ideia de como a lavaria era nos tempos da laboração das minas e não se imaginava como seria a ligação entre o segundo poço da mina do Salto do Lobo e o edifício da lavaria.

As imagens seguintes mostram a lavaria em diferentes épocas: na primeira imagem vemos um dos fundadores da Sociedade das Minas do Gerês Lda, José Rodrigues de Sousa, junto da lavaria nos anos 50 durante o período aureo da exploração das Minas dos Carris; a segunda imagem mostra o edifício de ligação entre a saída da mina e a lavaria (logo abaixo da marca d'água); a terceira e quarta imagens mostra o estado actual da lavaria (26 de Abril de 2008 e 20 de Janeiro de 2008).
Fotografia: © Rui C. Barbosa
Fotografia: © José Rodrigues de Sousa / Rui C. Barbosa
Fotografia: © António Ribeiro / Rui C. Barbosa
Fotografia: © Rui C. Barbosa
Fotografia: © Rui C. Barbosa

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Postais do Gerês (V) "Portela de Leonte"


Intitulado "Gerêz - Arredores: Chalet florestal em Leonte", este é um dos postais mais espectaculares que tenho na minha colecção dos Postais do Gerês. As razões são óbvias para aqueles que conhecem a zona aqui retratada.

Neste postal a cores do princípio do Século XX (o texto no postal está datado de 27 de Julho de 1917), vemos uma paisagem da Portela de Leonte a que não estamos muito habituados nos nossos dias. Se o contorno da serra no horizonte é-nos familiar, já não será o chalet que existia em Leonte no início do Século XX. É deveras interessante ver uma paisagem tão pouco tocada pelo homem num local hoje marcado pela estrada que liga as Caldas do Gerês à Portela do Homem.

Sem dúvida um exemplar único e fantástico!

Vamos limpar os Carris!

Carris, 20 de Janeiro de 2008

Estamos a quatro dias da data para a realização da actividade "Limpar Carris 2008" e infelizmente ainda não obtive qualquer resposta por parte do Parque Nacional da Peneda-Gerês à carta que lhe enderecei no passado dia 21 de Agosto. Penso ter havido tempo suficiente para enviar uma resposta mesmo sabendo que estaríamos em período de férias.

Assim, um grupo de cidadãos preocupados irá avançar com esta actividade que muitos consideram necessária pois o estado da zona das Minas dos Carris em final de época é sempre lastimável e tem de haver alguém que tome a iniciativa. Isso fizemos nós, grupo de cidadãos preocupados! Preocupados porque o soberano estado (aqui não merece uma letra maiúscula) não faz o que lhe compete e nós, grupo de cidadãos preocupados, queremos contribuir para que o nosso país seja um local melhor para todos nós vivermos.

Quem quiser participar nesta actividade deverá estar no parque de estacionamento da antiga Bracalância no dia 20 de Setembro (Sábado) pelas 7h00 (hora de saída) ou então pelas 8h00 na Portela do Homem. De salientar que a caminhada até às Minas dos Carris deverá demorar 2h30m e que a limpeza terá início logo de seguida com o grupo a ser dividido por várias zonas para assim se rentabilizar mais o tempo e o potencial humano... Como não temos qualquer apoio para a realização desta actividade de limpeza pedia a cada um dos participantes para levar sacos para armazenar o lixo que depois deverá ser trazido pelos mesmo até à Portela do Homem (logo convém que não sejam sacos grandes para facilitar o seu transporte).

Convém referir algo de muito importante! Notem que até à data esta actividade (sendo uma caminhada) não teve o abalo por parte do Parque Nacional da Peneda-Gerês e logo considero que não está autorizada. Mesmo assim, penso ser importante a sua realização pelas razões que já foram explicadas muitas vezes aqui neste blogue. No entanto, e tendo em conta a forma como o Parque Nacional da Peneda-Gerês e mesmo as autoridades policiais (digo GNR / SEPNA) actuaram em situações semelhantes ocorridas anteriormente, é de esperar que os participantes venham a ser de alguma forma identificados por estarem a violar regulamentos da área protegida. Já aconteceu no passado e muitas pessoas continuam a ser intimidadas ao longo do tempo.

Penso ser importante referir este aspecto pois cada um tem de ser consciente do que estará a fazer no próximo dia 20 de Setembro.

Fotografia: © Rui C. Barbosa

domingo, 14 de setembro de 2008

A D. Leolinda

Carris, 20 de Fevereiro de 2008

No passado Sábado tive a oportunidade de conhecer a D. Leolinda. A D. Leolinda é uma senhora com os seus 85 anos que tem muitas estórias para contar... estórias estas que me vão ajudar a completar um pouco mais do puzzle que se chama 'Minas dos Carris'.

A D. Leolinda trabalhou nas Minas dos Carris. A D. Leolinda conheceu o Sr. Sousa, o Zé Inácio e o Eng. Murta, pessoas das quais nunca tinha ouvido ninguém falar... isto é, sem contar com as trocas de email com meu amigo José Sousa, lá longe do outro lado do mundo, e do meu saudoso amigo Carlos Rodrigues de Sousa.

Que estórias terá a D. Deolinda para contar? De um sítio onde trabalhava muita gente, de um país pobre e que muitos pobre querem manter pois insiste-se em ignorar a nossa História e o que ela representa para nós...

Fotografia: © Rui C. Barbosa

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

Limpar Carris? (IX)

Carris, 27 de Abril de 2008

Até ao momento ainda não recebi qualquer resposta por parte da parte mais interessada à carta que enviei propondo uma actividade de limpeza da área da Mina dos Carris.

Se por um lado posso estranhar a demora, pelo outro não é nada que me espante de sobremaneira devido às razões por todos vós conhecidas. De qualquer das formas penso que deveremos aguardar uns dias mais pela resposta, seja ela qual for, antes de se avançar com qualquer decisão definitiva sobre a realização da actividade que entretanto continua agendada para o dia 20 de Setembro.

Obviamente assim que tiver mais alguma informação era será publicada neste blogue.

Fotografia: © Rui C. Barbosa

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

Outros lugares de Carris (LXVI)

Carris, 26 de Abril de 2008

Restos e marcas do passado no Salto do Lobo...

Fotografia: © Rui C. Barbosa

Texto integral do Relatório de Reconhecimento da mina de volfrâmio denominada 'Salto do Lobo'

Carris, 25 de março de 1943

O texto a seguir é uma cópia integral e sem correcção ortográfica (!!!) do texto do Relatório de Reconhecimento e Demarcação da mina de volfrâmio denominada 'Salto do Lobo, situada na freguesia de Cabril, concelho de Montalegre, distrito de Vila Real.

LOCALISAÇÃO E ACESSO - A mina de volfrâmio 'Salto do Lobo', fica situada nos pontos mais altos da serra do Gerez e quasi junto á fronteira , pois a pirâmide Carris fica incluida na área de demarcação.

As condições de acesso são dificilimas e apenas por caminhos de pé posto, desde as faldas da serra até á concessão. Das faldas da serra até á povoação de Cuvelães, pode o minério ser transportado por carros de bois, seguindo depois em camionete por uma estrada municipal até Montalegre onde fica ligado á rêde do paiz. Tem tabem acesso para a estrada florestal que partindo do Gerez converge para Leste, mas da qual dista mais de 30 km.

GEOLOGIA - O jazigo está todo assente em granito, que de um modo geral se apresenta rijo e dificilmente desagregavel, fazendo parte do maciço eruptivo do Gerez.

JAZIGO - É composto principalmente por dois aluviões, orginados por delgados filões de quartzo encaixados nos granitos, filões estes muito proximos dos eluviões.

Julgamos que só os aluviões deverão ser explorados e segundo as informações colhidas, a mineralisação deve ser entre 4 a 6 kgs por tonelada. O bed-rock conforme verificamos encontra-se a pequenas profundidades nunxa superiores a 1 metro.

PESQUIZAS - Constam de uma sanja de algumas desenas de metros de comprimento e de varios poços de sondagem dissiminados nos aluviões.

PLANO DE LAVRA - O plano de lavra referente apenas ás aluviões apresenta-se bem descritona memória, prevendo-se a reconstituição do terreno, não concordando contudo nós com a afirmação de que o terreno é pobre, visto ter uma camada de terra humosa de cerca de 60 centimetros.

A sua pobresa provem da distancia a que se encontra de qualquer agrupamento urbano.

Julgamos suficiente o capital de 25.000$00 indicado para inicio da lavra.

O Engenheiro Chefe da Circunscrição Mineira do Norte, assinatura elegível.

Fotografia: © Rui C. Barbosa

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Um outro olhar... (IX)

Carris, 5 de Junho de 2008

Um outro olhar sobre Carris pela objectiva de Estefânia Fernandes (Pocahontas)...

Fotografias: © Estefânia Fernandes (Pocahontas)

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Texto integral do Alvará de Concessão provisória n.º 4074

Carris, 9 de Janeiro de 1948

O texto a seguir é uma cópia integral e sem correcção ortográfica do texto do Alvará de Concessão provisória n.º 4074 e que permitiu `Sociedade Mineira dos Castelos Lda. iniciar a exploração da Corga das Negras I.


ALVARÁ DE CONCESSÃO PROVISÓRIA N.º 4074


Faço saber, como Ministro da Economia, aos que êste alvará virem que, tendo-se sido presente o requerimento em que a Sociedade Mineira dos Castelos, Ldªa., pede a concessão mineira de volframio denominada CORGA DAS NEGRAS Nº 1, situada na freguesia de Cabril, concelho de Montalegre, distrito de Vila Real;

Vistos os documentos que demonstram ter a requerente satisfeito todos os preceitos consignados na ligislação mineira:

Hei por bem conceder, provisoriamente, pelo praso máximo de três anos, à Sociedade Mineira dos Castelos, Ldª, a concessão mineira de volframio denominada CORGA DAS NEGRAS Nº 1, situada da freguesia de Cabril, concelho de Montalegre, distrito de Vila Real, cuja posição topográfica vai designada na planta que, por cópia, acompanha o presenta alvará, correspondente a um trapézio A B C D, com área de 49 hectares, 86 ares e 05 centiares e com os vértices determinados pelas suas coordenadas planas rectangulares no sistema com origem no Castelo de S. Jorge, como se segue:

VÉRTICE A - Distância à meridiana , sinal menos noventa mil seiscentos e setenta e sete metros (-90.677,00 m), distância à meridiana perpendicular, sinal menos tesentos e quarenta e quatro mil quatrocentos e quarenta e nove metros (-344.449,00 m).

VÉRTICE B - Distância à meridiana , sinal menos noventa mil e um mil quinhentos e quarenta e sete metros (-91.547,00 m), distância à meridiana perpendicular, sinal menos tesentos e quarenta e cinco mil e noventa metros (-345.090,00 m).

VÉRTICE C - Distância à meridiana , sinal menos noventa mil e um mil setecentos e cinquenta e oito metros (-91.758,00 m), distância à meridiana perpendicular, sinal menos tesentos e quarenta e quatro mil seiscentos e um metros (-344.601,00 m).

VÉRTICE D - Distância à meridiana , sinal menos noventa mil e um mil e setenta e quatro metros (-91.074,00 m), distância à meridiana perpendicular, sinal menos tesentos e quarenta e quatro mil cento e quatro metros (-344.104,00 m).

Esta demarcação fica sujeita a rectificação ou anulação por efeito de pedido de concessão baseado em registo mais antigo ou por sobreposição a áreas de concessões também mais antigas.

Em virtude da presenta concessão a concessionária fica obrigada a fornecer os minérios necessários para a laboração das industrias que, visando a sua utilização, existem ou venham a existir no País, ao preço corrente oficial, deduzidas as despesas não efectuadas pelo facto de terem sido extraídas no nosso território, bem como a todos os preceitosconsignados na ligislação mineira em vigor e ainda à seguinte condição especial:

As operações de lavra serão efectuadas directamente pela concessionária , que se não limitará a comprar minério ou a dar trabalhos de empreitada.

Nos casos em que possa ser aceitea justificação de assim se não proceder tornar-se-à obrigatória a residência do director técnico no local dos trabalhos mineiros.

E, por firmeza do que dito é, êste vai por mim assinado e selado com o sêlo dêste Ministério e com aqueles a que se referem decretos e leis em vigor.

Ministério da Economia, 9 de Janeiro de 1948

O Ministro da Economia, Daniel Maria Vieira Barbosa

Alvará concedendo, por três anos à Sociedade Mimeira dos Castelos, Ldª, a concessão mineira de volframio denominada CORGA DAS NEGRAS Nº 1, situada na freguesia de Cabril, concelho de Montalegre, distrito de Vila Real.

Francisco Garcia, o fez.


Fotografia: © Rui C. Barbosa

Notas históricas (XLIV)

Carris, 9 de Setembro de 1992

Passam hoje 16 anos da data de envio de um aditamento por parte do Director de Serviços de Administração Industrial dirigido à Sociedade das Minas do Gerês Lda., no qual era solicitado o envio de 8500$00 para suportar as despesas relacionadas com a publicação dos despachos de extinção das concessões mineiras que faziam parte das Minas dos Carris.

Curiosamente, caso não fosse enviado aquele montante as concessões eram declaradas em levra suspensa não autorizada o que implicaria o pagamento por parte da a Sociedade das Minas do Gerês Lda. do Imposto Mineiro fixad em 2500$00 / hectare...

(Fotografia da entrada do edifício que dava acesso ao poço principal da Mina do Salto do Lobo obtida a 4 de Junho de 2007).


Fotografia: © Rui C. Barbosa

domingo, 7 de setembro de 2008

Notas históricas (XLIII)

Carris, princípio dos anos 40

Encontrar fotografias que mostrem a zona dos Carris na Serra do Gerês antes da intervenção humana devido à exploração de volfrâmio, é algo de muito raro.

Na imagem em cima, que certamente mostra uma paisagem que será reconhecida por todos os que já visitaram Carris, podemos ver o vale final antes de chegarmos às ruínas das Minas dos Carris. Vemos a Carvoeirinha e parte da paisagem que antecede o início do Salto do Lobo. Sem dúvida um documento história de grande importância.

Fotografia: © Rui C. Barbosa

Notas históricas (XLII)

Carris, 10 de Julho de 1942

Já por várias vezes fiz aqui referência à verdadeira batalha legal que decorreu no início dos anos 40 quando se fez a descoberta de volfrâmio no Salto do Lobo. Na altura dois grupos «lutavam» pela posse da concessção mineira no local e todos os argumentos tinham de ser utilizados para se deitar mão do ouro negro que abundava na Serra do Gerês.

O documento que aqui se reproduz faz parte de um conjunto mais vasto de documentos que foram apresentados pela firma Domingos da Silva Lda. numa contestação a um protesto enviado por José Maria Gonçalves de Freitas que era o outro requerente à concessão da mina de "Carris e Salto do Lobo".

Fotografia: © Rui C. Barbosa

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Notas históricas (XLI)

Carris, 28 de Abril de 1989

Nesta data já ninguém habitava em Carris. O última guarda partira já há alguns anos e a degradação tomara conta do complexo mineiro. No entanto a Sociedade das Minas dos Gerês, Lda. ainda possuía os alvarás das diferentes concessões mineiras que compunham as Minas dos Carris.

Não fazendo parte do complexo mineiro de Carris, a concesão do Castanheiro encontrava-se a alguns quilómetros de distância e os trabalhos lá levados a cabo nunca tiveram grande significado. Com a impossibilidade de se fazer uma retoma dos trabalhos mineiros por múltiplas razões, a direcção da Sociedade das Minas do Gerês decide nesta data solocitar o abandono irrevogável desta concessão situada na Serra do Gerês.

Fotografia: © Rui C. Barbosa

terça-feira, 2 de setembro de 2008

O fim das concessões mineiras em Carris (VI)

Carris, 30 de Julho de 1987

Vivendo o país numa situação económica instável e com o mercado internacional do volfrâmio num ambiente pouco apetecível para os investidores e compradores, o futuro das Minas dos Carris estava traçado. Na realidade, este futuro já há muito que estaria previsto com a implementação no nosso primeiro e único parque nacional. A conservação da Natureza ganhara esta batalha, mas infelizmente a massa cinzenta que a geriu posteriormente não foi capaz de ter uma capacidade de visão que lhe permitisse tirar o melhor partido das estruturas existentes nas antigas concessões mineiras. O que se passou ao longo dos anos foi o confirmar de uma visão retrógrada, incompetente e de má gestão que se tem vindo incompreensivelmente a perpetuar ao longo dos tempos...

A 30 de Julho de 1987 é enviada pela Secretaria de Estado do Ambiente e dos Recursos Naturais uma carta à Secretaria de Estado da Indústria e Energia juntamente com um parecer emitido pelo Parque Nacional da Peneda-Gerês no qual se solicita que a zona em questão seja declarada não concessionável.

A 20 de Agosto de 1987 é enviada uma carta para o Chefe do Gabinete do Secretário de Estado da Industria e Energia juntamente com uma cópia do ofício 316/140 onde é referido que por portaria publicada do Diário da República n.º 174, IIIª Série de 31 de Julho de 1987, é "...declarada cativa para o Estado a área correspondente ao Parque nacional da Peneda-Gerês" e que está abrangida pelas áreas que definiam as antigas concessões mineiras que compunham as Minas dos Carris.
Fotografias: © Rui C. Barbosa