terça-feira, 15 de novembro de 2011

Leitura de fim-de-semana - "Árvores do Parque Nacional da Peneda-Gerês"

Foi editado pelo FAPAS um livro que nos fala das árvores do Parque Nacional da Peneda-Gerês. Este é um trabalho que o próprio parque nacional deveria fazer, mas como estão demasiado ocupados a fazer contas com as taxas e a perseguir caminhantes pela serra, nunca têm tempo para fazer excelentes trabalhos como este...

Tal como é referido no sítio do FAPAS, "No ano do 40º aniversário do Parque Nacional da Peneda-Gerês, também o Ano Internacional das Florestas, o FAPAS - Fundo para a Protecção dos Animais Selvagens - edita o livro ÁRVORES DO PARQUE NACIONAL DA PENEDA-GERÊS", de Miguel Dantas da Gama.

"Idealizado para ser mais do que um guia sobre as árvores autóctones do único parque nacional português (inclui anotações históricas, dados de distribuição, fichas técnicas e de identificação), a edição (inédita) retrata os exemplares, nos seus «habitats» naturais, que, pela sua idade, porte e maior raridade, se encontram entre os mais representativos da vegetação arbórea desta área protegida, mas que permanecem desconhecidos do grande público. A descrição das mais de 30 espécies nativas é antecedida por uma introdução sobre bosques naturais em que elas ocorrem, nomeadamente os carvalhais. 

ÁRVORES DO PARQUE NACIONAL DA PENEDA-GERÊS é também um contributo para a preservação da vida selvagem deste espaço natural, na medida em que valoriza verdadeiros ícones vivos do seu património, alertando por outro lado, para os efeitos dos fogos sobre exemplares tão valiosos como são alguns teixos e azevinhos com várias centenas de anos."

A não perder!

Fotografia © FAPAS

2 comentários:

Carlos M. Silva disse...

Olá Rui
Não poderia concordar mais com a forma como começas o texto de apresentação;em algumas 'Portas do Parque' onde este ano bati-e bato só uma vez,nunca 3-sempre a mesma história:esgotado;este é para amostra e está como vê!;o ICN(B) tem isso para reedição!,quanto a edições da Flora do PNPG.
Comparado com sítios electrónicos de outros lugares(sei que a América é a América e está longe!),por cá parece ser a apologia da miséria.Tanta apologia dá mesmo miséria!Algo que este país conhece desde há muito!

Carlos M. Silva disse...

Complemento:
Óbvio que não sou apenas mordaz!
O elogio,que não anula nada do atrás dito,vai inteiro para aqueles como o Fapas(e blogs,e sítios pessoais,..)- e eu não sou membro!- que tendo somente a valorização de bens naturais comuns específicos se preocupam com a 'substância' e não com a forma-organização em si mesmo(por importante que seja e é!),hábito marcadamente português.
Procurarei (já vi no e-sítio Fapas) e possivelmente comprarei.
Obrigado pela informação.